Após declaração de Trump, Nova York tem aumento de intoxicação por desinfetante

O presidente declarou que uma injeção de desinfetante no corpo seria benéfica para matar o vírus causador da covid-19

O presidente Donald Trump. Créditos: EBC

O presidente Donald Trump. Créditos: EBC

Mundo

A cidade de Nova York registrou aumento nos casos de intoxicação por desinfetante após o presidente do EUA, Donad Trump, sugerir que uma injeção do produto poderia ajudar no tratamento contra o coronavírus. As informações são da rede americana NBC.

De acordo com a emissora, o centro de controle de envenenamento da cidade recebeu 30 chamadas relacionada ao uso da substância nas 18 horas seguintes à sugestão do presidente – mais que o dobro do mesmo período no ano passado, quando apenas 13 casos foram registrados.

Entre os 30 casos registrados nessas dezoito horas, nove envolviam o desinfetante Lyson; outros dez eram relacionados a alvejantes e onze incluíam outros produtos de limpeza.

A declaração de Trump foi feita no último dia 23 e tomou como base um estudo do Departamento de Saúde dos Estados Unidos, segundo o qual a covid-19 resistiria mal ao calor, à luz e à umidade. Trump entendeu que um tratamento poderia ser implementado após estas conclusões.

“Eu vejo que o desinfetante nocauteia (o coronavírus) em um minuto. Um minuto. Existe uma maneira de fazer algo assim com uma injeção interna, ou quase como uma limpeza?”, disse o presidente durante coletiva de imprensa diária sobre a pandemia de coronavírus na Casa Branca.

“Como vocês podem ver, isso entra nos pulmões e tem um efeito enorme, por isso seria interessante verificar. Teríamos que chamar médicos para isso, mas parece interessante para mim”, continuou ele.

As falas de Trump causaram reação negativa imediata entre cientistas e políticos. “A ideia de injetar no corpo ou ingerir qualquer tipo de limpador é irresponsável e perigosa”, declarou à emissora NBC o doutor Vin Gupta, especialista pulmonar e em cuidados intensivos. “É um método comumente usado por pessoas que querem se matar”, disse ele.

“Pare de transmitir essas coletivas de imprensa sobre o coronavírus. Elas ameaçam a vida. E, por favor, não beba ou injete desinfetante”, tuitou Walter Shaub, ex-diretor do escritório federal encarregado das questões éticas (EMB) sob a administração democrata de Barack Obama.

Os fabricantes de produtos de limpeza também se pronunciaram, caso da Reckitt Benckiser, fabricante de Lysol e Dettol: “Sob nenhuma circunstância nossos produtos desinfetantes devem ser administrados ao corpo humano (por injeção, ingestão ou qualquer outra via)”. A Clorox, fabricante de alvejantes, também se posicionou: “Alvejantes e outros desinfetantes não são adequados para consumo ou injeção em nenhuma circunstância”, afirmou o documento.

Mais tarde, na sexta-feira, Trump disse que estava sendo “sarcástico” quando fez o comentário

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem