Mundo

Ameaça do Irã contra Israel é real, diz Casa Branca

O governo dos EUA não especificou se ajudaria a derrubar quaisquer mísseis iranianos

O presidente americano, Joe Biden. REUTERS - Elizabeth Frantz
Apoie Siga-nos no

A ameaça do Irã de tomar represálias contra Israel após um ataque na Síria em que morreram dois generais iranianos permanece “real” e “viável”, estimou a Casa Branca nesta sexta-feira 12.

“Continuamos considerando que a ameaça potencial do Irã neste caso é real, é viável”, disse o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, John Kirby, a jornalistas.

O porta-voz não especificou se acredita que o ataque é iminente e se os Estados Unidos ajudariam a derrubar quaisquer mísseis iranianos disparados contra Israel.

“Eu diria apenas que estamos acompanhando isso muito, muito de perto”, disse ele.

Acrescentou que Washington garantirá que os israelenses “tenham o que precisam e que sejam capazes de se defender”.

Os Estados Unidos também examinarão o envio de forças para a região, onde possuem milhares de soldados. O objetivo é “garantir que estamos devidamente preparados”, disse ele.

O presidente dos EUA, Joe Biden, alertou na quarta-feira que o Irã “ameaça lançar um grande ataque contra Israel”.

Ele prometeu apoio “forte” ao seu principal aliado na região, embora seu relacionamento com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, tenha sido tenso recentemente devido à situação dos civis na guerra em Gaza entre Israel e o grupo palestino Hamas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo