Mundo

Alunas são envenenadas no Irã para provocar o fechamento de escolas femininas

Neste mês, pais se manifestaram em frente à administração de Qom para exigir explicações das autoridades

Foto: Reprodução/Redes Sociais/Women's Committee NCRI
Apoie Siga-nos no

Centenas de estudantes de escolas femininas na cidade sagrada de Qom, no centro do Irã, foram envenenadas nos últimos meses para provocar o fechamento desses centros de ensino, anunciou uma autoridade sanitária neste domingo 26, citada pela imprensa local.

Desde o fim de novembro, os veículos de imprensa iranianos vêm reportando dezenas de casos de envenenamento por via respiratória de meninas nas escolas de Qom. Algumas chegaram a ser hospitalizadas.

Em 14 de fevereiro, os pais se manifestaram em frente à administração da cidade para “exigir explicações” das autoridades, segundo a agência oficial IRNA.

No dia seguinte, o porta-voz do governo, Ali Bahadori Jahromi, anunciou que os ministérios de Inteligência e Educação estavam “cooperando” para descobrir a origem dos envenenamentos.

Com base nessas investigações, “o vice-ministro da Saúde, Younes Panahi, confirmou de maneira implícita que o envenenamento de alunas em Qom era intencional”, anunciou a IRNA.

“Descobriu-se que certos indivíduos queriam que todas as escolas, em particular as femininas, fechassem”, declarou Panahi, sem que nenhuma prisão fosse anunciada.

O envenenamento foi causado por “substâncias químicas disponíveis e não de uso militar, e ele não é contagioso ou transmissível”, acrescentou, sem dar mais detalhes.

Situada 150 quilômetros ao sul de Teerã, Qom é o centro de estudos religiosos xiitas no Irã.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.