Alemanha suspende vacinação com a AstraZeneca

A decisão foi tomada após notificação de efeitos colaterais do imunizante

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Mundo

A Alemanha está suspendendo o uso da vacina contra a Covid-19 do laboratório anglo-sueco AstraZeneca “como medida preventiva” após a notificação de efeitos colaterais, anunciou o Ministério da Saúde nesta segunda-feira 15

O Instituto Médico Paul-Ehrlich, que assessora o governo, “acredita que outros exames (são) necessários” após a formação de coágulos sanguíneos em pessoas vacinadas na Europa, afirmou um porta-voz do ministério, enquanto vários países já tomaram tal medida.

 

 

Esta decisão ocorreu “após novas informações sobre trombose das veias cerebrais vinculadas à vacinação na Alemanha e Europa”, de acordo com a mesma fonte.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) “decidirá se essas novas constatações (desses efeitos colaterais) vão repercutir na autorização da vacina”, acrescentou o porta-voz.

O ministro da Saúde alemão Jens Spahn fará um discurso para a população hoje à tarde.

Há uma semana, vários países suspenderam a vacinação da AstraZeneca após constatarem sérios problemas sanguíneos em alguns vacinados.

A Áustria foi o primeiro, suspendendo um lote de vacinas em 8 de março por causa da morte de uma enfermeira que recebeu uma dose da AstraZeneca. A mulher, de 49 anos, morreu por uma má coagulação sanguínea.

Depois, outros países – entre eles a Itália – suspenderam alguns lotes isolados. Vários países escandinavos (Dinamarca, Noruega e Islândia) foram mais longe e suspenderam todas as vacinas da AstraZeneca, seguidos pela Holanda no domingo.

A vacina da AstraZeneca é uma das três usadas na Alemanha, enquanto uma quarta – a da Johnson & Johnson – já recebeu a aprovação das autoridades europeias e será distribuída entre meados e final de abril, de acordo com o ministro da Saúde.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem