Acordo do Brexit é rejeitado pela terceira vez

O Tratado de Retirada foi derrubado desta vez por 344 votos a 286 no final de uma série de votações caóticas

Começou oficialmente o processo de divórcio do Reino Unido dos outros 27 países da União Europeia

Começou oficialmente o processo de divórcio do Reino Unido dos outros 27 países da União Europeia

Mundo

Uma saída abrupta, sem acordo, do Reino Unido da União Europeia (UE), no dia 12 de abril, agora é o cenário mais provável, afirmou uma porta-voz da Comissão Europeia, depois que o Parlamento britânico rejeitou novamente o acordo do Brexit. As opções do Reino Unido envolvem o cancelamento do Brexit, buscar um prazo maior ou sair do bloco sem um acordo.

A fonte indicou ainda que os europeus se preparam para este cenário desde dezembro de 2017. “A UE permanecerá unida”, acrescentou.

Os deputados britânicos rejeitaram pela terceira vez nesta sexta-feira 29, dia em que o Reino Unido deveria sair da UE, o acordo Brexit negociado por Theresa May, mergulhando o futuro do país em grandes incertezas.

O Tratado de Retirada foi derrubado desta vez por 344 votos a 286 no final de uma série de votações caóticas.

Derrota: acordo costurado pela primeira-ministra Theresa May com a UE foi rejeitado

Reunião extraordinária

Diante do resultado, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, convocou uma cúpula extraordinária de líderes europeus para 10 de abril.

“Dada a rejeição do Acordo de Retirada pela Câmara dos Comuns, decidi convocar um Conselho Europeu em 10 de abril”, tuitou Tusk.

Com o objetivo de terminar 46 anos de relações complicadas entre o Reino Unido e os seus parceiros europeus, este texto de 585 páginas, fruto de quase dois anos de árduas negociações com a União Europeia, previa um período de transição até ao final de 2020 para evitar uma separação radical.

Com informações da AFP

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Rádio pública francesa que produz conteúdo em 18 línguas, inclusive português. Fundada em 1931, em Paris.

Compartilhar postagem