‘Estou animada’: Angela Davis firma apoio à Kamala e Biden nos EUA

Referência no debate abolicionista penal, a filósofa estadunidense defendeu a candidatura de Kamala Harris

Histórica ativista e filósofa Angela Davis em visita a São Paulo. (Foto: Giovanna Galvani / CartaCapital)

Histórica ativista e filósofa Angela Davis em visita a São Paulo. (Foto: Giovanna Galvani / CartaCapital)

CartaCapital,Justiça

“Estou animada”, afirmou a histórica ativista e filósofa Angela Davis em relação à recém anunciada candidata à vice-presidência pelo Partido Democrata, Kamala Harris. Segurando a capa do The New York Times, em vídeo para a Al Jazeera, Davis manifestou seu apoio à chapa democrata.

De ascendência indiana e jamaicana, Kamala foi escolhida para compor chapa junto a Joe Biden nas eleições nas quais desafiarão o ocupante da Casa Branca, Donald Trump. A escolha da candidata à vice foi comemorada pelo aceno ao público negro e latino, porém houve quem apontou o passado de Kamala enquanto prosecutor, figura semelhante à promotora de justiça.

Entre as críticas, aponta-se que Kamala aumentou os índices de condenação em São Francisco, cidade da Califórnia de atuação durante a carreira, como também não se opôs à pena de morte. Tais pautas são sensíveis ao debate sobre abolicionismo penal, no qual Angela Davis é um dos expoentes.

Para a filósofa, contudo, trata-se de não negar os aspectos problemáticos da trajetória da candidata, mas sim habitar as contradições enquanto uma abordagem feminista. Após dizer sobre seu ânimo, a filósofa explicou: “Isso não é dizer que Kamala não tem pontos problemáticos no seu histórico. E nós não podemos esquecer alguns problemas que estão associados a ela enquanto promotora. Mas eu penso que é uma abordagem feminista estar apta a trabalhar com essas contradições, apta a habitar nelas. Então, nesse contexto, posso dizer que estou animada”.

Davis ainda completa dizendo que o objetivo principal é “livrar-se” de Donald Trump, ainda que isso signifique apoiar Joe Biden, candidato democrata milionário com o discurso considerado moderado: “Posso dizer que mesmo antes eu sabia que teríamos que fazer campanha para (Joe) Biden e ele não é o melhor candidato. Ele é problemático em muitos níveis, mas nós temos que nos livrar da pessoa que está no cargo nesse momento, cujo nome eu não pronunciarei”.


Com informações da Al Jazeera.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Editor no site de CartaCapital. Advogado, fundou o site Justificando, onde foi diretor de redação por quatro anos. 

Post Tags
Compartilhar postagem