Internacional

Ásia

Na crise da Coreia do Norte, a tensão chega a um novo patamar

por Redação — publicado 11/04/2017 10h04
Trump diz que Estados Unidos resolverão "problema" mesmo sem a China e Pyongyang reafirma que responderá hostilidade "com armas"
KCNA / AFP
Kim Jong-Un

Kim Jong-Un, o líder da Coreia do Norte, durante visita a fábrica de cogumelos, em 8 de abril

Nesta terça-feira 11, Trump voltou a tratar da questão nuclear coreana pelo Twitter. Pela rede social, reafirmou estar pronto para resolver o problema norte-coreano sem a ajuda da China, parceira nessas negociações, alguns dias depois de ter recebido o presidente chinês, Xi Jinping, na Flórida. "A Coreia do Norte busca problemas. Se a China decidir ajudar, isso será genial. Se não, resolveremos o problema sem eles!", escreveu Trump.

O tweet foi escrito momentos depois de a Coreia do Norte denunciar o envio "insensato" da Marinha americana à península coreana, advertindo que o governo está preparado para responder com "a poderosa força das armas" se for necessário.

O envio por parte de Washington de um porta-aviões e sua frota para a região "vem provar que os movimentos insensatos dos Estados Unidos para invadir a República Democrática Popular da Coreia alcançaram uma fase grave", disse um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Coreiado Norte, segundo a agência oficial de notícias KCNA. Foi o primeiro comentário de Pyongyang desde a manobra americana, realizada no domingo 9.

Menos de 48 horas depois de bombardear a Síria, Trump anunciou o que foi interpretado como uma advertência à Coreia do Norte. Um grupo aeronaval americano, que inclui o porta-aviões USS Carl Vinson, dois destróieres e um cruzador (todos equipados com mísseis) cancelou uma escala programada para a Austrália e seguiu para o Oceano Pacífico ocidental de Cingapura, em uma demonstração de força diante das crescentes ameaças do governo norte-coreano.

Trump já ameaçou adotar ações de forma unilateral contra Pyongyang se Pequim não conseguir deter o programa nuclear do país vizinho.

"A República Democrática Popular da Coreia está preparada para reagir a qualquer forma de guerra desejada pelos Estados Unidos", afirmou Pyongyang, segundo a KCNA. "Tomaremos as medidas (...) mais severas contra os provocadores para nos defendermos com a poderosa força das armas", completou o porta-voz da chancelaria norte-coreana.

As especulações sobre um iminente teste nuclear crescem com a proximidade do sábado 15, dia do 105º aniversário do nascimento do líder fundador da república norte-coreana. Essa data costuma ser celebrada com uma demonstração militar. 

O primeiro-ministro sul-coreano e presidente interino alertou nesta terça-feira sobre o risco de uma "grave provocação" do Norte, que também poderia acontecer em 25 de abril, dia do aniversário da criação do exército do país. "Existe a possibilidade de que o Norte incorra em provocações mais graves, como um novo teste nuclear, para celebrar distintos aniversários", declarou Hwang Kyo-ahn.  

As tensões coincidem nesta terça-feira com uma sessão da Assembleia Legislativa da Coreia do Norte, que se reúne uma ou duas vezes por ano para votar o orçamento do Estado e ratificar as decisões tomadas pelo partido único da Coreia do Norte.  

Pyongyang busca desenvolver um míssil de longo alcance capaz de chegar aos Estados Unidos com uma ogiva nuclear e até agora realizou cinco testes nucleares, dois deles no ano passado. 

A análise de imagens de satélite sugere que Pyongyang estaria preparando um sexto teste, enquanto a inteligência norte-americana adverte que os norte-coreanos podem estar a menos de dois anos de conseguir a capacidade de atacar o continente americano. 

Donald Trump e Xi Jinping
Donald Trump e Xi Jinping na Flórida, na semana passada: a Casa Branca quer a ajuda da China para lidar com a Coreia do Norte (Foto: Jim Watson / AFP)

Ao mesmo tempo, Seul e Washington estão realizando treinamentos militares conjuntos, um exercício anual que é visto pelo Norte como uma preparação para a guerra. China e Coreia do Sul concordaram na segunda-feira 10 sobre a necessidade de adotar novas medidas contra o regime norte-coreano em caso de um sexto teste nuclear. 

"Concordamos que devem ser adotadas duras medidas adicionais, baseadas nas resoluções do Conselho de Segurança da ONU, se o Norte seguir adiante com um teste nuclear ou o lançamento de um míssil balístico intercontinental, apesar das advertências da comunidade internacional", declarou Kim Hong-kyun, enviado de Seul para questões nucleares, após uma reunião na capital sul-coreana com o representante chinês para o tema, Wu Dawei. 

O encontro aconteceu pouco depois de Trump ter recebido o presidente chinês Xi Jinping para uma reunião durante a qual pressionou Pequim a atuar para conter as ambições nucleares norte-coreanas.  

O conselheiro de Segurança Nacional H.R. McMaster advertiu no domingo que a desnuclearização de Pyongyang "tem que acontecer". Em caso contrário, disse, o presidente Trump solicitou uma "série de opções para eliminar a ameaça" nuclear norte-coreana, em referência aos assessores da presidência.  

Um ataque de curto alcance dos Estados Unidos contra a Coreia do Norte poderia ser efetivo, mas também poderia colocar em risco a vida de muitos civis na Coreia do Sul e iniciar um grande conflito militar, segundo analistas.

Com informações da AFP