Internacional

Oriente Médio

Alvo de genocídio, comunidade yazidi celebra Ano Novo no Iraque

por Redação — publicado 19/04/2017 10h29
Minoria de origem curda e seguidora de uma religião monoteísta própria foi um dos principais alvos do Estado Islâmico
Fotos: Christophe Simon / AFP
yazidis.jpg

Mulher yazidi durante o início da cerimônia de Anovo Novo na terça-feira 18

Milhares de yazidis celebram nesta quarta-feira 19 seu Ano Novo em um templo do norte do Iraque, na maior reunião desta minoria desde que os extremistas do Estado Islâmico a converteram em alvo de seus ataques.

Os fiéis começaram as festividades na noite de terça-feira, em Lalish, localidade a 50 km ao norte de Mossul, usando seus trajes tradicionais e levando velas e candeias. A cidade é o centro da fé yazidi e o evento comemora a criação do universo pelos anjos e festeja a natureza e a fertilidade.

Mas este ano, o ambiente era sombrio entre os yazidis, já que muitos sofreram a violência praticada pelo grupo Estado Islâmico a partir de 2014, quando os extremistas se apoderaram de amplas zonas do Iraque, incluindo a região da qual é originária a maioria dos membros desta pequena comunidade.

"No estou feliz. Isso não é como antes porque há pessoas que continuam nas mãos do Daesh (acrônimo em árabe do Estado Islâmico)", diz Zoan Msaid, uma moradora de Sinjar que vive agora em um campo de refugiados. "Não podemos esquecer nossos costumes e tradições, mas só queremos que os reféns voltem para casa, só isso", acrescentou.

Os yazidis são uma minoria de idioma curdo que pratica uma religião monoteísta com elementos tomados do cristianismo e do islã. O Estado Islâmico os consideram hereges e, em meados de 2014, massacrou inúmeros membros da comunidade ao conquistar o monte Sinjar.

Em poucas horas, milhares de pessoas fugiram pelas montanhas áridas, procurando refúgio no Curdistão iraquiano. Outras centenas, talvez milhares, morreram no ataque, ou durante a fuga nas montanhas. Segundo a Anistia Internacional, os jihadistas executaram homens e sequestraram centenas, se não milhares, de mulheres, que foram vendidas como noivas para combatentes ou reduzidas à condição de escravas sexuais.

As forças curdo-iraquianas reconquistaram no final de 2015 a cidade de Sinjar, com o apoio aéreo da coalizão liderada pelos Estados Unidos. Centenas de yazidis combatem o Estado Islâmico atualmente, alguns em unidades militares próprias.

Segundo a ONU, o Estado Islâmico cometeu um genocídio contra a minoria yazidi. Calcula-se que cerca de 3 mil membros dessa comunidade continuam em poder dos jihadistas. Em 2015, investigadores da ONU pediram a abertura de uma ação no Tribunal Penal Internacional (TPI) a respeito do caso.

No mundo inteiro, os yazidis somam um milhão e meio de pessoas, sendo que um terço desta comunidade se encontra no Iraque. Outras comunidades estão estabelecidas na Turquia, Geórgia e Armênia, sem contar a diáspora no Ocidente.

Vivendo em cantos remotos das montanhas do Curdistão, os yazidis seguem uma religião cujas origens remontam ao mazdeísmo, nascido no Irã há quase 4 mil anos, e ao culto a Mitra. Mas com o tempo, eles incorporaram elementos do islã e do cristianismo.

Os yazidis oram a Deus em direção ao sol e veneram sete anjos, sendo o mais importante deles Melek Taus ou Anjo-Pavão. Eles pronunciam suas orações em curdo e não têm nenhum livro sagrado.

000_NN471.jpg
Lalish é o centro da fé yazidi

A tradição yazidi proíbe o casamento fora da comunidade e mesmo até em seu próprio sistema de castas. As crenças e práticas dos yazidis – como a proibição de comer alface e vestir a cor azul – são considerados por seus críticos como satânicas. Os muçulmanos ortodoxos consideram o pavão como uma figura demoníaca e os yazidis foram rotulados como "adoradores do diabo".

Como iraquianos não-árabes e não-muçulmanos, têm sido uma das minorias mais vulneráveis do país. Milhares de famílias fugiram do Iraque em razão da perseguição do governo de Saddam Hussein, em particular para a Alemanha.

Em agosto de 2007, enormes caminhões-bomba destruíram quase inteiramente duas aldeias yazidis no norte do Iraque. Mais de 400 pessoas foram mortas nas explosões.

Com informações da AFP

registrado em: , ,