Humor

O jovem na mira dos candidatos, uma investigação

Candidatos e equipes de marketing trabalham diuturnamente tentando falar a língua da moçadinha. Vale tudo: memes, emojis, filmes, BBB…

Apoie Siga-nos no

O Brasil é um país jovem e de muitos jovens, e os candidatos à presidência sempre se lembram dessa massa alguns meses antes das eleições. Afinal, sem eles é impossível vencer. Muitos são os movimentos para se aproximarem desse contingente recém-chegado no planeta Terra — no final das contas, são as pessoas que vão segurar esta marimba chamada Brasil. Candidatos e equipes de marketing trabalham diuturnamente tentando falar a língua da moçadinha. Vale tudo: memes, emojis, filmes, BBB e o que mais parecer moderninho.

Hoje o ICSAESP (Instituto Coronel Siqueira de Análise Eleitoral, Semiótica e Psicanálise) vai fazer uma pequena investigação sobre estes movimentos e suas chances de sucesso.

Lula

Última tentativa: Foto “Star Wars”

Aqui temos Lula, líder disparado nas pesquisas eleitorais, numa fotomontagem segurando um sabre de luz, marca característica da saga Star Wars, passando um ardescolado e divertido.

Detalhe: A espada é verde e não vermelha, o que funciona como uma nova “Carta ao Povo Brasileiro”, numa demonstração subliminar de boa vontade com todos os setores da sociedade. A nossa espada jamais será vermelha!

Funciona? Médio. A foto teve um número muito grande de curtidas e compartilhamentos, mas se a intenção era se aproximar da juventude, falhou. Quem se emociona com um sabre de luz está além da meia idade hoje em dia.

Sugestão: Algo que realmente fale a linguagem dos jovens: K-Pop, videogames e angústia em relação ao futuro.

Bolsonaro

Última tentativa: Esta manhã, existindo.

Bolsonaro, convenhamos, nunca se afastou dos jovens. Para isso, utiliza uma técnica infalível: ter a idade mental e o QI de uma criança de 10 anos. Xinga a mãe de um, fala que vai bater em quem discordar, e por aí vai. Se a infância é a mais bela fase da vida, Bolsonaro é um campeão em ter estendido essa fase até seus quase 70 anos.

Detalhe: Essa idade pode variar: muitas vezes Bolsonaro parece ter uma fixação nas fezes e outras funções corporais básicas, o que indica que sia criança interior tem por volta de 2 ou 3 anos.

Funciona? Sim e não. Ele tornou-se presidente da República. No entanto, parece que nesses quatro anos o brasileiro amadureceu; Já Bolsonaro segue com a atividade mental de um filhote de ostra com fortes problemas cognitivos. Resta saber o que o cidadão vai preferir nos próximos quatro anos: as famosas “mitadas” ou comida na mesa.

Sugestão: Fugir do Brasil o mais rápido possível.

Sergio Moro

Última tentativa: Foto jogando Street Fighter no Fliperama.

Tendo seu nome inscrito no Guinness Book como a única pessoa do mundo a apresentar carisma negativo, Sérgio Moro tenta, em vão, parecer descolado e moderninho.

Detalhe: Na tela podemos observar claramente que o jogador americano está pronto para dar um golpe no jogador brasileiro. Se isso não foi proposital, é o caso de um tratamento urgente com um psicólogo, porque o rapaz não está mais conseguindo esconder suas intenções.

Funciona? Não. Os jovens dos anos 90 que se emocionaram com Street Fighter agora tem outras preocupações: barrigas, boletos e a manutenção daquele último fio de sanidade mental que resta. Jovem mesmo não tem nem ideia do que é Street Fighter. Percebe-se também o desconforto do ex-juiz ao jogar contra um adversário que não pode ser preso por ele durante o jogo.

Sugestão: Fotos são uma boa estratégia de campanha para Moro, porque foto não tem voz. Mas ele deveria contratar uma equipe que conte com alguém mais jovem que o Álvaro Dias, ou pelo menos arrumar algum amigo pra dar um toque antes de postar coisas. Hoje já existem excelentes amigos de aluguel, que você paga por hora. Pode ser a solução.

Ciro Gomes

Última tentativa: Rebeldia e joguinhos.

Justiça seja feita: Ciro Gomes há muito percebeu a importância dos jovens no processo eleitoral e investe pesadamente nesse público que ainda não votou. Suas tentativas foram muitas: desde o “Ciro Games” até o atual lema de campanha, onde tenta emular um rebelde em busca da salvação do Brasil.

Detalhe: Em 2018, Bolsonaro também encarnou o rebelde em busca da salvação do Brasil. Mas não sabia jogar joguinhos.

Funciona? Médio. Embora às vezes pareça uma reencarnação do tiozão da Sukita, Ciro ao menos tem carisma e parece genuíno em seus esforços de “falar a língua da moçada”.

Sugestão: Seguir na mesma linha. Se ele não vencer as eleições, Ciro pode tranquilamente ser o próximo apresentador do Clube do Mickey ou virar DJ de K-Pop.

João Doria

Última tentativa: Todas.

João Dória se acha um Dorian Gray, mas não passa de um Benjamin Botox. Já caminha em direção aos 70 anos, mas parece querer ser jovem para sempre. Seja através de suas inúmeras cirurgias, dancinhas de TikTok ou parecendo se importar com alguma minoria.

Funciona? Não. Por mais que o dinheiro possa retardar o envelhecimento físico, Dória exala naftalina por todos os poros. Suas ideias e atitudes parecem ter 200 anos. O 1% que tem nas pesquisas comprova isso.

Sugestão: Desistir da política e abrir um clube de golfe. Ou de tênis. Ou de sapatênis.

É isso, amigos! A qualquer momento eu volto com mais análises da emocionante corrida eleitoral de 2022!

Coronel Siqueira

Coronel Siqueira
Cidadão de bem, patriota, viúvo, cristão, conservador, hétero convicto, de ascendência europeia. Adoro lasanha e frutas cristalizadas.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.