A revolta da vacina, por Coronel Siqueira

O dia que o Einstein conseguir ser presidente do Brasil a gente conversa

A revolta da vacina, por Coronel Siqueira

A revolta da vacina, por Coronel Siqueira

Humor

Fico a semana toda esperando pelo truco de sábado à tarde no bar do Genival. É sempre divertido encontrar os amigos, beber, comer uns tira-gostos e fazer piadinhas machistas sem ninguém para cercear nossa liberdade!

 

 

Mas esse sábado foi diferente. Ao chegar no bar, estava tudo fechado, e ninguém na porta. Fiquei curioso – o que teria acontecido com o pessoal? Perguntei para a menina que mora na casa ao lado e a resposta não poderia ter sido mais triste – ela me disse que eles tinham ido se vacinar mais cedo!

Traidores! Como assim? Será que eles não veem os pronunciamentos do presidente? Será que nunca ouviram falar da Cloroquina? Será que não acreditaram em mim quando eu falava das maravilhas do ozônio retal? Que absurdo!

Fui tirar satisfações: fui até a casa do Genival e bati na porta. Quando ele me atendeu, não pude acreditar! Ele estava com uma camiseta do PT, um boné do MST e escutando a Internacional Socialista! Quase desmaiei. Quando perguntei o que estava acontecendo, ele respondeu:

– Não sei o que foi, Siqueira, mas depois de hoje de manhã eu comecei a me sentir meio socialista! Comecei a achar um absurdo pessoas morrendo de fome e a existência de bilionários que lucram com medicamentos enquanto milhões morrem em países pobres! Temos que ser mais justos com a distribuição de renda no Brasil, Siqueira!

Era óbvio o que tinha acontecido: Ele havia tomado a vacina comunista! Eu avisei que era perigoso! Como assim o Genival, meu amigo de tantos anos, reclamando que as pessoas morrem de fome? Que mimimi é esse?

Meu medo era que o mesmo tivesse acontecido com os outros. Saí correndo até a casa do Marivaldo da Padaria e bati a campainha várias vezes. Atendeu uma moça muito parecida com ele, que eu nunca tinha visto antes. Perguntei:

– Oi, tudo bem? Você é irmã do Marivaldo? Você sabe se ele tomou a vacina e virou comunista? Estou muito preocupado!

A resposta foi aterradora:

– Oi Siqueira, você não está me reconhecendo? Sou eu, o Mari… Mas agora pode me chamar de a Mari! Tomei a vacina que muda o DNA e agora sou mulher, Siqueira!

Que absurdo! Só me faltava essa! O velho Marivaldo virou mulher! E feia, ainda por cima! E nem para me oferecer um cafezinho? Maldita Marivalda feminista!

Saí correndo assustado. Estava passando com pressa pela pracinha do bairro quando senti uma grande mordida na minha perna… O sangue começou a jorrar, deu um pulo e vi: Era o Diney da locadora, mas ele tinha virado um enorme jacaré – verde, escamoso e muito bravo! Ele começou a correr atrás de mim, rosnando alto:

– Siqueira, volta aqui que eu vou te comer, seu velho safado! Tomei a vacina, virei jacaré e agora vou jantar a cidade inteira!

Corri o mais rápido que pude, até perdê-lo de vista. Tinha que ligar para um zoológico para recolherem o que sobrou do meu grande amigo. Pobre Diney, acabando seus dias como uma Jacaré solto na grande selva de pedra…

Como eu estava perto da casa do Chiquinho da farmácia, entrei lá correndo para pedir ajuda. Mas a cena que vi me assustou ainda mais: Chiquinho estava amarrado no quintal, com um monte de gente fazendo fila em volta dele. Saí tropeçando em todo mundo, cheguei perto do Chiquinho e perguntei o que estava acontecendo. Ele me respondeu, entre lágrimas e soluços:

– Me ajuda, Siqueira, eu não aguento mais! Tomei a vacina do chip 5G! Agora além de fazer ligação de graça para qualquer lugar do mundo eu também transmito wifi grátis!!! O povo não me deixa mais sair daqui, todo mundo quer ligar pra família ou baixar filme às minhas custas! Me ajude!

Comecei a gritar com todos! Falei que era um absurdo as pessoas tomarem essas vacinas importadas, que elas deveriam ter escutado o Bolsonaro. Que o grande mito não comprou as vacinas exatamente para proteger o povo!

Alguém respondeu:

– Mas Siqueira, há séculos a humanidade usa vacinas! São centenas de doenças que evitamos por causa delas!

Minha resposta foi imediata:

Quem vai nos salvar dessa doença não são os chineses nem os americanos! A cura virá na hora certa, mas quem vai nos curar é aquele homem especial, aquele que já esteve nos céus e voltou para a terra para nos ajudar!

Responderam:

– Jesus, Siqueira? Você acha que Jesus vai te curar?

Eu respondi:

– Não estou falando de Jesus, estou falando do Ministro Astronauta! Você não sabia que ele está desenvolvendo uma vacina só nossa? Nessa eu confio! É uma vacina à base de cloroquina, ozônio, travesseiro da NASA, Nióbio e Grafeno! Tem tudo pra dar certo!

Nessa hora eu tomei uma cotovelada na cabeça e me expulsaram de lá. Fui mancando para casa, muito triste. Triste por ter perdido meus amigos para as vacinas e mais triste ainda por perceber que as pessoas não levam o Bolsonaro a sério e ainda preferem acreditar na ciência.

Ciência? O dia que o Einstein conseguir ser presidente do Brasil a gente conversa. Até lá, confio mais na palavra do mito!

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Cidadão de bem, patriota, viúvo, cristão, conservador, hétero convicto, de ascendência europeia. Adoro lasanha e frutas cristalizadas.

Compartilhar postagem