Santos perde patrocinador após contratação de Robinho

Rede de franquias da área de ortodontia estética mencionou 'respeito às mulheres' ao anunciar fim de patrocínio

Jogador Robinho (Foto: Rafael Ribeiro/ CBF)

Jogador Robinho (Foto: Rafael Ribeiro/ CBF)

Esporte

Uma empresa que patrocinava o Santos, e tinha contrato vigente até 2021, rompeu relação com o time após a contratação do atacante Robinho. A Orthopride, rede de franquias da área de ortodontia estética, que exibia sua marca dentro dos números da camisa do Santos, tomou a decisão na tarde desta quarta-feira 14.

 

 

 

A contratação de Robinho pelo time foi motivo de polêmica. Em novembro de 2017, o jogador foi condenado a nove anos de prisão, em Milão, pelo crime de estupro de uma mulher, com outros cinco homens.

A decisão, no entanto, não é definitiva, por ser de primeira instância. O jogador está recorrendo e livre para jogar.

O Santos afirmou que fechou um contrato simbólico com Robinho, com um salário de 1,5 mil reais e bônus por objetivos alcançados. O clube santista também teria preferência pela renovação com o jogador por mais um ano e sete meses.

Ao Globo Esporte, o diretor de operações da Orthopride, Richard Adam, mencionou respeito às mulheres na decisão do rompimento.

” Nosso público é majoritariamente feminino e, em respeito às mulheres que consomem nossos produtos, tivemos que tomar essa decisão. Queremos deixar claro que não fomos informados previamente sobre a contratação do Robinho, fomos pegos de surpresa pela imprensa no fim de semana”.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem