Escutas telefônicas revelam participação de Robinho em estupro

'Estou rindo porque não estou nem aí, a mulher estava completamente bêbada, não sabe nem o que aconteceu', teria dito o jogador

(Foto: Ivan Storti/Santos FC)

(Foto: Ivan Storti/Santos FC)

Esporte

O jogador Robinho, recentemente recontratado pelo Santos mesmo condenado em 1ª instância por estupro na Europa, admitiu, em ligações telefônicas interceptadas por investigadores italianos, que fez sexo oral com a mulher que o acusa do crime.

 

 

“Estou rindo porque não estou nem aí, a mulher estava completamente bêbada, não sabe nem o que aconteceu”, teria dito o jogador.

Os trechos foram obtidos pelo Globo Esporte e publicados nesta sexta-feira 16. O conteúdo das mensagens é sensível.

Segundo as investigações, o caso aconteceu em uma boate de Milão chamada ‘Sio Café’ no dia 22 de janeiro de 2013. A vítima comemorava seu aniversário de 23 anos e já conhecia Robinho e outros colegas do jogador de ocasiões anteriores. Em uma delas, disse em seu depoimento, Robinho já havia tentado “lamber seus seios”, mas que não achou que a situação era preocupante.

Os diálogos foram obtidos por meio de escutas da polícia italiana no telefone e no carro do jogador. O amigo chamado Falco também foi condenado com base no mesmo artigo, que trata “da participação de duas ou mais pessoas reunidas para ato de violência sexual – forçando alguém a manter relações sexuais por sua condição de inferioridade “física ou psíquica””, diz a reportagem.

Em uma das conversas, os amigos admitem que “todos transaram com ela”:

 

Falco: –Ela se lembra da situação. Ela sabe que todos transaram com ela.

Robinho: – O (NOME DE AMIGO 1) tenho certeza que gozou dentro dela.

Falco: – Não acredito. Naquele dia ela não conseguia fazer nada, nem mesmo ficar em pé, ela estava realmente fora de si.

Robinho: – Sim.

 

Em outra situação, Robinho, ao ser avisado por um músico que a investigação tomava corpo, debochou: “Estou rindo porque não estou nem aí, a mulher estava completamente bêbada, não sabe nem o que aconteceu.”

Em outra conversa, ele planeja com o amigo o que dizer à polícia e admite o sexo oral.

 

Robinho: –A polícia não pode dizer nada, eu direi que estava com você e depois fui para casa.

Jairo: – Mas você também transou com a mulher?

Robinho: – Não, eu tentei. (NOME DE AMIGO 1), (NOME DE AMIGO 2), (NOME DE AMIGO 3)…

Jairo: – Eu te vi quando colocava o pênis dentro da boca dela.

Robinho: – Isso não significa transar.

A vítima diz que tem “apenas alguns flashes” da noite em que foi abusada.

– Acredito que no início estivesse fazendo sexo oral em [NOME DO AMIGO 3], e Robinho aproveitava de mim de outro modo, e depois eles trocaram de papel, dali não me recordo mais nada porque me encontrei rodeada pelos rapazes, não sabia o que acontecia. 

Depois, ela afirmou que, ao tomar consciência do que acontecera, começou a chorar e foi amparada por Jairo, o músico. Em depoimento à polícia, ele nega que viu algum ato sexual sendo cometido.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Post Tags
Compartilhar postagem