Esporte

O futebol entre ídolos e celebridades

Os mercados não só se apropriam do tempo livre dos cidadãos, mas produzem e monetizam os protagonistas do jogo da bola

Neymar deixa tribunal de Barcelona, onde foi absolvido. Foto: Josep LAGO / AFP
Apoie Siga-nos no

Atormentados pela rememorações das patifarias dos homenzinhos golpistas, nossos dias foram entristecidos pelo falecimento de dois personagens do “jogo bonito” – o jogo da bola.

Franz Beckenbauer e Mario Lobo Zagallo saíram da vida para entrar na história (peço licença a Getúlio Vargas para plagiar a frase de sua Carta-Testamento). Zagallo é o maior campeão mundial de todos os tempos. Como jogador, o Formiguinha venceu duas Copas do Mundo – 1958 e 1962. Assumindo as funções de treinador, comandou a seleção brasileira em 1970, 1974 e 1998. Como coordenador da comissão técnica  conquistou as Copas de 1994 e 2006. 

Franz Beckenbauer é o ídolo maior do futebol alemão, Campeão Mundial em 1974. 

Vou me valer da narrativa da BBCN: “No dia 7 de julho, a seleção holandesa entrou em campo para disputar a final da Copa contra a Alemanha como favorita, apesar dos donos da casa terem jogadores como Sepp Mayer, Breitner, o capitão Beckenbauer e o goleador Gerd Müller.

Neymar é a encarnação da alma financista e midiática. Uma celebridade

Antes que os alemães tocassem na bola, a Holanda já tinha um pênalti a seu favor, convertido por Neeskens. Os experientes alemães, contudo, não se abateram e, com uma marcação forte sobre o craque Cruyff, viraram ainda no primeiro tempo.

Paul Breitner fez o de empate, e o centroavante Müller, o da vitória e do título, Alemanha 2 a 1.

Homenagear figuras exponenciais do jogo da bola, craques reconhecidos do esporte mais admirado e apaixonante  entre todos, é prática antiga entre os aficionados. Não há como esquecer dos jogos de despedida – encerramento de carreira – que presenciei. Em 1967, corri ao velho Parque Antártica para homenagear Julio Botelho, o inesquecível Julinho. Ele se despediu do futebol depois de uma vitória do Palmeiras sobre o Náutico por 1×0. A torcida clamou por sua permanência, mas Júlio Botelho preferiu tocar seus negócios na Penha, onde nasceu.

 Também não poupei minhas mãos na refrega de aplausos a Ademir da Guia.  O Divino me concedeu uma emoção inigualável, ao   abrigar sua despedida no Allianz Parque no dia 25 de outubro de 2014.  

Julinho e Ademir eram Ídolos que resguardavam a modéstia nos escaninhos de suas sabedorias encantadas pelo Espírito Coletivo. Esse era o Espírito  que inspirava seus passos e movimentos nos gramados. 

Já escrevi nestas páginas concedidas generosamente por CartaCapital que os clubes de futebol tem uma origem, digamos, associativa. Em geral, trata-se de uma associação voluntária em torno de uma identidade, como é o caso de muitos clubes ingleses formados a partir das iniciativas das classes trabalhadoras. Isso tem vários significados, um deles é o da “identificação”. É uma forma de se identificar com o outro, um processo quase natural de buscar uma identidade afetiva.

A partir de meados dos anos 1980, os espaços do futebol passaram a sofre o intenso assédio das finanças. As competições e os clubes passaram a ser cobiçados como mercadorias, negócios valiosos. O mercado do futebol foi globalizado. 

O agente principal da globalização foi a universalização dos torneios e competições promovida pelas redes privadas de televisão. Essa maior integração não só envolveu a aproximação, ainda que não a igualdade, dos padrões salariais, dos valores das transferências, mas, sobretudo, atraiu grandes empresas para o “maior espetáculo da terra”.

Não é surpreendente que a paixão tenha sido apropriada e domesticada por um formidável aparato midiático-mercadológico. Afirmo que não se trata de embuste, de falsificação das finalidades “verdadeiras” do futebol, senão de uma forma de ser, de um modo de existência do entretenimento contemporâneo. Os mercados não só se apropriam do tempo livre dos cidadãos, mas produzem e monetizam os protagonistas do jogo da bola. 

Os ídolos de antanho foram transfigurados nas celebridades de hoje. Neymar é a encarnação da alma financista e midiática. Uma celebridade. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.