Esporte

‘Nenhum crime pode ficar impune’, diz ministro do Esporte após prisão de Robinho

‘A justiça deve ser aplicada de forma rigorosa e imparcial, garantindo que os culpados sejam responsabilizados por seus atos, sem concessões’, defendeu o Ministério

O ministro do Esporte, André Fufuca. Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados
Apoie Siga-nos no

O ministro do Esporte, André Fufuca, se manifestou em relação à violência sexual contra mulheres, nesta sexta-feira 22. Em uma publicação nas redes sociais, ele cobra responsabilização para quem comete esse tipo de crime. 

Apesar de Fufuca não mencionar nenhum caso, a declaração acontece um dia após a prisão do ex-jogador de futebol Robinho, condenado por um estupro cometido na Itália.

“Violência sexual é inadmissível e nenhum crime pode ficar impune, especialmente os hediondos. Acredito que a Justiça deve ser cumprida sempre e que todos os condenados devem ser responsabilizados por seus atos”, escreveu o titular da pasta do Esporte.

“Como ministro do Esporte, continuarei fortalecendo políticas contra a violência sexual, bem como para o apoios às vítimas e promovendo uma cultura de respeito e dignidade no esporte e na sociedade”, completou Fufuca.

Ainda nesta semana, na quarta-feira 20, a Justiça espanhola aceitou o pedido da defesa de Daniel Alves para deixá-lo em liberdade provisória enquanto os recursos dele são julgados.  O ex-jogador brasileiro foi condenado a quatro anos e meio de prisão por estupro.

Diretamente sobre os episódios envolvendo os ex-jogadores brasileiros, o Ministério do Esporte classificou os casos como ‘extremamente lamentáveis, inadmissíveis e imperdoáveis’.

“A justiça deve ser aplicada de forma rigorosa e imparcial, garantindo que os culpados sejam responsabilizados por seus atos, sem concessões”, defendeu a pasta.

Ainda em nota, o Ministério que continuará trabalhando em “políticas eficazes” para “para a prevenção e o combate à violência sexual, bem como para o apoio às vítimas e a construção de uma cultura de respeito e dignidade no esporte e na sociedade”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo