Esporte

Futebol: juiz rejeita queixa de Vini Jr. contra insultos racistas em jogo do Campeonato Espanhol

Os insultos dirigidos ao atacante brasileiro do Real Madrid foram denunciados aos tribunais pela liga espanhola de futebol após a partida contra o Osasuna

Foto: Jose Jordan/AFP
Apoie Siga-nos no

Um juiz de Pamplona (norte da Espanha) rejeitou, nesta terça-feira (16), a queixa de que o atacante brasileiro Vinicius Junior, do Real Madrid, havia sido alvo de insultos racistas durante uma partida do Campeonato Espanhol contra o Osasuna no ano passado, porque, para o magistrado, não foi possível determinar a identidade dos autores.

No entanto, o juiz espanhol admitiu que “os fatos poderiam constituir um delito”, de acordo com uma ordem citada em um comunicado à imprensa do Tribunal Superior de Justiça de Navarra.

Porém, em sua opinião, “não há informações suficientes para saber a identidade dos autores” e “é, portanto, apropriado aceitar o arquivamento desses procedimentos”, acrescenta a ordem, que pode ser apelada.

Os insultos dirigidos ao atacante brasileiro do Real Madrid foram denunciados aos tribunais pela liga espanhola de futebol após a partida contra o Osasuna, na 22ª rodada do Campeonato Espanhol, em 18 de fevereiro de 2023, vencida pelo Real Madrid por 2 a 0.

Cantos e insultos racistas

Vítima de cantos e insultos racistas em várias ocasiões desde sua chegada a Madri em 2018, o atleta da seleção brasileira se tornou um líder relutante na luta contra a discriminação no futebol espanhol.

Em Madri, os promotores pediram quatro anos de prisão para quatro pessoas acusadas de pendurar um boneco vestindo uma camisa de Vinicius em uma ponte na capital, antes de uma partida da Copa do Rei há um ano.

O jogador, de 23 anos, também prestou depoimento a um juiz de Valência (360 km da capital Madri) em outubro passado como parte da investigação sobre insultos que recebeu durante uma partida do Campeonato Espanhol em 21 de maio de 2023.

Vinicius está “infelizmente acostumado” a atos racistas nos estádios espanhóis, como apontou seu técnico Carlo Ancelotti em novembro, depois que o astro brasileiro foi novamente insultado por um torcedor do Barcelona, uma semana depois de incidentes semelhantes em Sevilha.

“É triste falar sobre racismo hoje, mas temos de continuar lutando para que as pessoas sofram cada vez menos”, disse Ancelotti.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo