Economia

Tarcísio age como um corretor de imóveis para vender nosso patrimônio, diz deputado

A CartaCapital, Carlos Giannazi critica agenda de privatizações e diz ser necessário pressionar a base do governador na Alesp

Créditos: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O deputado estadual Carlos Giannazi (PSOL-SP) destacou nesta terça-feira 3 a necessidade de a oposição se articular para frear a obsessão privatista do governo de Tarcísio de Freitas (Republicanos). Uma das expressões do movimento contra a agenda do bolsonarista é a greve unificada entre funcionários do Metrô, da CPTM e da Sabesp na capital, deflagrada nesta madrugada.

Em entrevista a CartaCapital no YouTube, Giannazi reafirmou a legalidade da paralisação, considerada por ele uma das mais importantes dos últimos tempos. “Ela não trata de uma questão salarial, vai muito além. Está defendendo o patrimônio público do estado de São Paulo, empresas que foram construídas com o dinheiro da população, via impostos, e que são importantes na estratégia e na oferta de serviços públicos”, disse.

Segundo ele, a privatização da Sabesp tende a gerar aumento na tarifa de água e piorar a prestação dos serviços de água e saneamento.

“Nós já tivemos um exemplo com a Eletropaulo, que foi privatizada e comprada por uma empresa italiana, a Enel. O serviço ficou tão ruim que existe até uma CPI na Assembleia Legislativa investigando a empresa.”

O deputado avalia que Tarcísio é “mais privatista” que os governadores anteriores, do PSDB.

“Ele tem um programa radicalizado e selvagem de privatizações em várias áreas do estado. Tarcísio está a serviço dos grandes grupos econômicos. Ele já fez isso no governo Bolsonaro e trouxe a equipe privatista dele para São Paulo”, criticou o psolista. “Ele está a serviço dos grandes grupos, das grandes empresas, que têm muito poder econômico no Brasil e fora dele. É uma espécie de corretor de imóveis, que vai vender o nosso patrimônio.”

Questionado sobre as estratégias da oposição para frear os projetos, o parlamentar ressaltou a importância de outros setores organizados, como movimentos sociais e sindicais, agirem em conjunto, diante do fato de que Tarcísio tem maioria na Assembleia Legislativa. “Nós temos de ter a população do nosso lado, para pressionar os deputados da base do governo”, concluiu.

Assista à íntegra da entrevista:

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo