Educação

Revista de Literatura Contemporânea da UNB deixa de circular

Responsáveis pela publicação afirmam que encerramento é fruto do desmonte da educação pública e da pesquisa no País

Apoie Siga-nos no

A revista Estudos Brasileiros de Literatura Brasileira Contemporânea, da Universidade de Brasília, anunciou nesta quarta-feira 26, o encerramento de suas atividades. A publicação, vinculada ao grupo de estudos em Literatura Brasileira Contemporânea da universidade, alegou falta de recursos para a continuidade da trajetória iniciada em 1999, com acúmulo de 62 edições publicadas.

“Com o desaparecimento dos editais de apoio a publicações no Brasil e sem suporte institucional não há como dar continuidade ao trabalho”, afirmou o grupo de estudos, em nota. “Esta é uma das consequências do desmonte da educação pública e da pesquisa no País, especialmente na área de Humanas”, traz outra passagem do comunicado.

Ainda de acordo com os responsáveis pela publicação, as edições sempre foram realizadas com recursos insuficientes e a colaboração gratuita de professores e estudantes, ‘que roubavam tempo de seu descanso para produzi-la, por acreditarem em um projeto de reflexão crítica e plural sobre a literatura e o campo literário brasileiros atuais”.

O grupo ainda destaca as perdas ao país com o encerramento da revista, classificada como A1 na avaliação da Capes, e indexada a bibliotecas virtuais nacionais e internacionais e reconhecida por pesquisadores da área no Brasil e no exterior.

Diante desse quadro, decidimos que não podemos nos impor mais sacrifícios para continuar a editar a revista – um trabalho que não “dá pontos” no currículo, não conta na carga horária, não é remunerado e não recebe praticamente nenhum apoio ou mesmo reconhecimento. Juntaremos nossas forças para resistir em outras frentes, em defesa da democracia, da justiça social, da ciência e da educação pública.”

 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo