Educação

Filmes para discutir a questão racial

Sérgio Rizzo seleciona filmes sobre racismo e a luta pelos direitos civis nos EUA

O filme foi premiado com o o Oscar. 12 anos escravidão filme cinema escravatura escravo abuso preconceito negro questão racial No Calor da Noite A Cor Púrpura Faça a Coisa Certa
12 Anos de Escravidão (2013)
O filme foi premiado com o o Oscar. 12 anos escravidão filme cinema escravatura escravo abuso preconceito negro questão racial No Calor da Noite A Cor Púrpura Faça a Coisa Certa
Apoie Siga-nos no

12 Anos de Escravidão (2013)

Hollywood e Washington caminham muitas vezes lado a lado. Foi assim na década de 1930, quando o New Deal do então presidente Franklin Delano Roosevelt encontrou respaldo e tradução em longas-metragens (notadamente as de Frank Capra, como A Mulher Faz o Homem) que confortavam o cidadão norte-americano e sinalizavam com alguma luz no fim do túnel da Grande Depressão. E tem sido assim também com a onda de filmes recentes que se debruçam sobre o racismo e a luta pelos direitos civis no país justamente no momento em que o primeiro presidente negro ocupa a Casa Branca.

Ao receber o Oscar de melhor filme (complementado pelos prêmios de roteiro adaptado e atriz coadjuvante), 12 Anos de Escravidão (2013) adquiriu importância especialmente simbólica nesse período. Não por acaso, deu origem a um projeto que levou filme e livro no qual foi baseado (escrito por Solomon Northup) a centenas de escolas norte-americanas. Barack Obama já exercia o segundo mandato quando essa recriação da história verídica de um negro vendido como escravo funcionou, para muitos ativistas da causa negra, como um lembrete: as novas gerações não podem deixar de conhecer o que se passou, sob o risco de permitir que aquilo venha a ocorrer outra vez.

Para ressaltar a simbologia, 12 Anos de Escravidão foi dirigido por um negro, o inglês Steve McQueen – cobrado por não ter dito, na entrevista coletiva após a cerimônia de entrega do Oscar, que foi o primeiro negro a dirigir uma produção premiada como melhor filme pela Academia de Hollywood. Barack McQueen, digamos.

No Calor da Noite (1967)

No auge da luta pelos direitos civis nos EUA, um drama sobre preconceito baseado em romance de John Ball e dirigido por Norman Jewison. Um detetive negro (Sidney Poitier) investiga um assassinato em pequena cidade do Mississippi que é palco de tensão racial. Vencedor de cinco Oscars, incluindo os de melhor filme e ator (Rod Steiger).

A Cor Púrpura (1985)

Steven Spielberg dirigiu um grande elenco de atores negros – Danny Glover, Whoopi Goldberg, Adolph Caesar e a apresentadora de tevê Oprah Winfrey, entre outros – nessa adaptação do romance de Alice Walker sobre três décadas na vida de uma mulher do sul dos EUA, que engravida aos 14 anos por causa de uma relação incestuosa.

Faça a Coisa Certa (1989)

O diretor e roteirista Spike Lee ganhou projeção internacional por essa produção independente que recria a tensão racial em um bairro do Brooklyn, em Nova York. Pequenos episódios de preconceito e intolerância levam a uma espiral de violência. Lee realizou em seguida outros filmes, explorando os mesmos temas, como Febre da Selva (1991) e Malcolm X (1992).

Sergio Rizzo

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.