Educação

Procuradoria aponta inconstitucionalidade na lei das escolas cívico-militares em São Paulo

A manifestação chegou ao procurador-geral da República, Paulo Gonet

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas, o secretário estadual de Educação, Renato Feder, em 23 de junho de 2023. Foto: Fernando Nascimento/Governo de São Paulo
Apoie Siga-nos no

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, do Ministério Público Federal, se manifestou pela inconstitucionalidade da lei estadual de São Paulo que institui o programa de escolas cívico-militares.

A manifestação foi encaminhada ao procurador-geral da República, Paulo Gonet, em 6 de junho.

O entendimento é que a lei cria atribuições para a força militar estadual não previstas nas normas constitucionais e afronta os princípios da liberdade de pensamento e da gestão democrática das escolas. O órgão pontua que o Legislativo estadual não tem autonomia para regulamentar a matéria, pois invade a competência da União sobre normas gerais relacionadas às bases da educação nacional.

Nicolao Dino, procurador federal dos Direitos do Cidadão, avalia que o programa também não encontra amparo no modelo educacional previsto na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional.

Ele diz ser problemática a previsão de dois núcleos, um civil e outro militar, para gerir essas escolas. Afirma ainda que, ao prever a seleção de militares da reserva para o exercício de atividades pedagógicas sem aprovação em concurso público ou formação específica, a lei afronta o princípio de valorização dos profissionais de educação.

Dino acresce a essa lista a preocupação com a redução do espaço crítico para diálogo e para desenvolvimento do livre pensamento no ambiente escolar, devido à permissão para adotar orientações próprias da formação militar.

“É necessário levar em conta, ainda, a ausência de razoabilidade na presença de força militar estadual na escola com vistas à contenção da criminalidade e ao aumento do controle social em áreas periféricas, considerando a existência de meios próprios – inerentes às atividades de segurança e policiamento – que não se confundem com a militarização dos processos pedagógicos para a promoção e garantia da segurança pública.”

O programa foi aprovado pela Assembleia Legislativa e sancionado pelo governador Tarcísio de Freitas (Republicanos), que anunciou a intenção de iniciar o modelo ainda neste ano.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo