Educação

Prefeitura retira alíquota suplementar e tenta aprovar Previdência

Medida não altera o aumento da alíquota básica da Previdência de 11 para 14%. Servidores fizeram novo ato esta tarde na Câmara Municipal

Créditos: Flickr|Créditos: J.AlbertoLakatos |
Créditos: Flickr|Créditos: J.AlbertoLakatos |

A Prefeitura de São Paulo aceitou retirar a alíquota suplementar de 5% que aumentaria para até 19% a contribuição previdenciária dos servidores municipais. O texto substitutivo ao PL 621, que prevê as mudanças, foi apresentado na terça-feira 27, após reunião com vereadores. A medida, no entanto, não altera o aumento da alíquota básica de 11% para 14%.

Em entrevista exclusiva ao SP2, da TV Globo, o prefeito João Doria (PSDB) disse que a Prefeitura já tem os 28 votos necessários para aprovar a proposta. Há expectativa de que a votação seja feita ainda hoje, na Câmara Municipal, caso a oposição não apresente substitutivo que impeça a leitura.

Segundo o prefeito, a mudança é necessária para estancar o rombo da Previdência que está perto de seis bilhões de reais e possibilitar o pagamento de despesas com merenda escolar, funcionalismo público, previdência, medicamentos, evitando que a “cidade fique paralisada”.

Leia Também:
Doria afirma não ter recuo na previdência de professores

Doria também declarou que, por conta do déficit, este ano a Prefeitura terá que inibir o crescimento de unidades básicas de saúde, bem como reformas e construção de novas creches. O prefeito quer garantir a aprovação da medida até o dia 6 de abril, data em que deve deixar a Prefeitura para concorrer ao cargo de governador do Estado.

Esta tarde os servidores municipais fizeram novo ato contra a proposta na Câmara Municipal de São Paulo.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!