Por coronavírus, UNE suspende manifestações do dia 18 de março

Entidade afirma que o momento é de 'responsabilidade com a saúde do povo brasileiro' e que atos serão pensados em outro momento

Por coronavírus, UNE suspende manifestações do dia 18 de março

Educação,Política

A União Nacional dos Estudantes (UNE) decidiu, nesta sexta-feira 13, adiar as manifestações estudantis marcadas para o dia 18 de março por conta do avanço da contaminação do coronavírus no País. Em nota, a organização afirmou que, conforme orientações da OMS e Ministério da Saúde, é preciso evitar o fomento de grandes aglomerações e que “é um momento de responsabilidade com a saúde do povo brasileiro”.

A entidade também comentou a importância de universidades avaliarem a necessidade de paralisar as aulas. “Consideramos ser de extrema importância que os conselhos superiores tenham a responsabilidade de debater esse caso, agregando também elementos de equipes técnicas de saúde, para tomar medidas e suspender as aulas para evitar a proliferação do vírus nos locais em que já há suspeita ou confirmação de casos do Coronavírus”.

A Unicamp foi a primeira universidade pública do País a suspender as atividades por conta do avanço do Covid-19. A decisão foi anunciada de 13 a 29 de março e inclui os campi de Campinas (SP), Piracicaba (SP) e Limeira (SP). Somente serviços essenciais e de saúde serão mantidos. Na universidade não há casos suspeitos de coronavírus.

Também nessa sexta-feira, a USP anunciou medidas preventivas para conter o avanço do coronavírus na universidade. Estão suspensos nos campi da USP: eventos científicos e comemorativos com mais de 100 participantes; atividades culturais e de extensão, abertas ao público em geral, com mais de 100 participantes; visitas em grupo aos Museus mantidos pela Universidade; atividades do Programa 60+ da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária (PRCEU). Também estão suspensas as viagens acadêmicas de discentes, docentes e funcionários programadas ao exterior.

Ainda em nota, a UNE reforça a importância das universidades e seus pesquisadores para a contenção da pandemia e como essas instituições devem ser valorizadas em suas atuações. “Essa lamentável situação de saúde pública só deixou mais evidente a necessidade de mais investimentos e respeito pelas nossas instituições públicas de ensino e saúde”.

A UNE afirmou que vai mobilizar suas redes sociais no 18.03, alertando para o que tem acontecido no Brasil com a educação, democracia e desmonte dos serviços públicos. “Seguimos incansáveis na luta e contribuindo pela contenção da pandemia e assim que tudo estiver sob controle voltaremos a ocupar as ruas de país”, finaliza o texto.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem