Movimento estudantil reage a declarações de Milton Ribeiro: ‘Bravatas do bolsonarismo’

A UNE anunciou que os estudantes irão às ruas nesta quarta-feira 11 contra o governo Bolsonaro

Foto: Patrícia Santos

Foto: Patrícia Santos

Educação,Política

A União Nacional dos Estudantes divulgou uma nota nesta terça-feira 10 em repúdio às declarações do ministro da Educação, Milton Ribeiro, à TV Brasil.

 

 

No comunicado, a entidade diz receber ‘sem nenhuma surpresa, mas com muita revolta’ as afirmações do chefe do MEC. Ribeiro declarou que a “universidade deveria, na verdade, ser para poucos, nesse sentido de ser útil à sociedade”. Ainda defendeu que as “vedetes” do futuro serão os institutos federais, capazes de formar técnicos. Questionado sobre as políticas de cotas, disse que “são os pais dos ‘filhinhos de papai’ que pagam impostos e sustentam a universidade pública”.

Para a UNE, os comentários de Milton Ribeiro são mais uma bravata do bolsonarismo e um reflexo do retrocesso que o governo impõe à educação.

“Quem paga a educação é o povo trabalhador brasileiro. E por direito o ensino superior de qualidade deve ser acessível a TODOS, porque assim o povo quer e assim foi acordado em nossa Constituição”, destacou a UNE em um trecho do texto.

“Passou o tempo que a universidade era lugar para escolhidos e filhos da elite. Hoje, os filhos da classe trabalhadora têm oportunidades de se formarem médicos, se assim quiserem. Essa é uma realidade que o governo federal tenta desmontar”, acrescentou a nota.

A UNE ainda reconheceu o papel dos institutos federais nas redes de ensino, mas criticou a visão tecnocrata atribuída a eles pelo ministro.

“Os institutos federais são parte importantíssima da nossa rede de ensino e oferecem uma formação de qualidade. Mas a tecnocracia pura e simples que o Ministro defende como o ‘futuro’ atende aos apelos privatistas e negam o tripé universitário do ensino, pesquisa e extensão”.

 

“Um modelo parecido já nos foi enfiado goela abaixo, na canetada, com total ausência de participação política da sociedade nos processos de formulação. Graças a muita luta, é página virada no nosso passado”.

 

A UNE encerrou a nota com uma cobrança por ensino de qualidade e um anúncio da presença dos estudantes nas ruas contra o governo nesta quarta-feira 11.

“Exigimos um ensino de qualidade, uma educação libertadora, onde todos tenham acesso, que possam se profissionalizar no que escolherem e não apenas atendendo interesses mercadológicos. Para isso faremos o que for necessário, desde já convocando os estudantes para ocupar as ruas no dia 11 de Agosto! Estaremos sempre em luta, estudante é sinônimo de esperança!”.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem