Ministro da Educação edita currículo após reitor não reconhecer doutorado

Decotelli teve sua tese reprovada pela Universidade de Rosário, na Argentina, motivo pelo qual não tem o título de doutor em Administração

Créditos: EBC

Créditos: EBC

Educação

O ministro da Educação, Carlos Decotelli, editou seu currículo na plataforma Lattes após o reitor da Universidade de Rosário, Franco Bartolacci, afirmar que a instituição argentina não reconhece o título de doutorado do economista.

Agora, no campo título, Decotelli cita apenas “créditos concluídos” em 2009 e retirou o nome da tese “Gestão de Riscos na Modelagem dos Preços da Soja”. Também não aparece mais o nome do orientador Dr. Antonio de Araujo Freitas Jr. No campo dedicado a esta informação consta “sem defesa de tese”.

 

A titulação do novo ministro da Educação foi anunciada pelo presidente Jair Bolsonaro na quinta-feira 25, data em que o oficializou como novo mandatário do ministério da Educação. Na sexta-feira 26, no entanto, o reitor da universidade na Argentina, Franco Bartolacci, foi às redes sociais para negar o título de doutorado do novo ministro.


Em entrevista ao El País, o reitor afirmou que Carlos Decotelli foi reprovado no exame de qualificação da banca de doutorado na Universidade Nacional de Rosário, na Argentina, e por isso não tem o diploma do curso, contrariando o que afirmava em seu currículo. “Ele apresentou uma versão escrita que foi julgada desfavoravelmente pelo júri e, portanto, não pôde fazer sua defesa oral”, disse.

O Ministério da Educação enviou uma nota à imprensa afirmando que o ministro concluiu, em fevereiro de 2009, todos os créditos do doutorado em Administração pela Faculdade de Ciências Econômicas e Estatística da Universidade Nacional de Rosário, na Argentina. Juntamente com a informação, encaminhou um certificado.


O reitor da Universidade de Rosário também falou sobre a certificação à reportagem do El País. “Esse certificado confirma o que dissemos. Ele cursou o doutorado, mas não o concluiu. Falta aprovar a tese, que é a instância final para acessar o título de Doutor, portanto não é um Doutor da UNR”.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem