MEC muda regras do Fies e anuncia redução de vagas

Vagas poderão passar de 100 mil em 2020 para 54 mil em 2021 e 2022

O ministro Abraham Weintraub. Foto: Gabriel Jabur/MEC

O ministro Abraham Weintraub. Foto: Gabriel Jabur/MEC

Educação

O Ministério da Educação (MEC) publicou novas regras para o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) a partir de 2020. O número de vagas vai diminuir para quase metade do atual, segundo publicação do Diário Oficial da União (DOU).

A pasta informou que as vagas poderão passar de 100 mil em 2020 para 54 mil em 2021 e 2022. Para o primeiro semestre de 2020, as normas serão as mesmas. No segundo semestre, mudam as regras do Programa de Financiamento Estudantil (P-Fies), que tem juros variáveis e é voltado para pessoas com renda familiar de até cinco salários mínimos. Em 2021, entram as novas regras do Fies, que tem juros de zero por cento.

O P-Fies deixará de ter limitações em função da renda familiar e não obrigará mais que o candidato se submeta ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para se tornar um beneficiário. O programa também passa a ser independente do Fies.

Já o Fies mudará a nota de corte da redação do Enem: antes, seria preciso não tirar zero, agora, será necessário obter 400 pontos. A média das cinco provas do Enem deverá resultar em pelo menos 450 pontos. Para pedir a transferência da faculdade, o candidato também deverá ter tirado nota de corte do curso ao qual pretende ir. O candidato deverá ter renda de até três salários mínimos.

O Fies 2020 abrirá inscrições em 5 de fevereiro e encerrará o prazo em 12 de fevereiro. Os resultados serão divulgados no dia 26 do mesmo mês. A chamada para lista de espera ficará aberta entre 26 de fevereiro e 31 de março.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem