MEC envia certificado e reafirma título de doutor do ministro da Educação

Mais cedo, o reitor da Universidade de Rosário publicou em suas redes sociais que Carlos Decotelli não concluiu o doutorado

Créditos: EBC

Créditos: EBC

Educação

O Ministério da Educação afirmou, por meio de nota, nesta sexta-feira 26, que o ministro da Educação, Carlos Alberto Decotelli da Silva concluiu, em fevereiro de 2009, todos os créditos do doutorado em Administração pela Faculdade de Ciências Econômicas e Estatística da Universidade Nacional de Rosário, na Argentina.

A pasta também encaminhou um certificado, datado de 7 de fevereiro de 2009, e assinado pela professora Monica Priotti, coordenadora acadêmica do Doutorado em Administração; Marisa Goytia, secretária de pós-graduação e formação contínua, e Javier Ganem, reitor da Faculdade de Ciências Econômicas e Estatísticas.

 

O texto diz: “Certificamos que Carlos Alberto Decotelli da Silva cursou o total de matérias da carreira de pós-graduação “Doutorado em Administração” oferecidas pela Faculdade de Ciências Econômicas e Estatísticas da Universidade Nacional de Rosário”.


Nesta sexta-feira 26, o reitor da universidade, Franco Bortolacci, publicou em seu perfil no Twitter que Decotelli não havia obtido a titulação de doutor. À coluna da jornalista Mônica Bergamo ele disse que “[Decotelli] cursou o doutorado, mas não finalizou, portanto não completou os requisitos exigidos para obter a titulação de doutor na Universidade Nacional de Rosario”.

A reportagem de CartaCapital procurou a Universidade de Rosário para obter um posicionamento sobre a nota enviada pelo MEC e para que avaliem a certificação, mas não teve respostas até o fechamento.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem