MEC desiste de retomar aulas presenciais em janeiro

Ordem pela retomada das aulas nas universidades federais havia sido publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira 2

Ministro da Educação, Milton Ribeiro. Foto: Isac Nóbrega/PR

Ministro da Educação, Milton Ribeiro. Foto: Isac Nóbrega/PR

Educação

O Ministério da Educação decidiu revogar a portaria que determinava o retorno das aulas presenciais em universidades federais a partir de janeiro. Uma nota oficial deve ser divulgada ainda nesta quarta-feira 2.

 

 

A ordem pela retomada das aulas havia sido publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta. Segundo a decisão, as instituições deveriam adotar um “protocolo de biossegurança”, definido na Portaria MEC nº 572, de 1º de julho de 2020, contra a propagação do novo coronavírus.

Diante da repercussão negativa, no entanto, o MEC recuou da determinação horas depois de publicado o DOU. À CNN Brasil, o ministro da Educação, Milton Ribeiro, disse que a pasta abrirá uma “consulta pública para ouvir o mundo acadêmico” e planejar a volta das aulas presenciais. “As escolas não estavam preparadas, faltava planejamento”, completou Ribeiro.

Na semana passada, em transmissão ao vivo nas redes sociais com o presidente Jair Bolsonaro, Milton Ribeiro defendeu o retorno de aulas presenciais ao falar sobre as redes estaduais e municipais de ensino.

“Claro que eu defendo, mas isso não depende da gente. Conforme o STF decidiu, isso está na mão de prefeitos e governadores. Vamos tomar todos os cuidados”, disse.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem