Inep nega que Enem 2021 tenha sido adiado para o ano que vem

O Conselho Nacional de Educação afirmou que o pedido teria partido do presidente do instituto, Danilo Dupas Ribeiro; depois, o CNE recuou

Foto: Agência Brasil

Foto: Agência Brasil

Educação

O Inep negou que o Enem 2021 esteja ameaçado e que a edição possa ser adiada para o ano que vem. Nesta quinta-feira 13, uma reportagem veiculada pelo G1 indicou a possibilidade de remarcação do exame, por falta de orçamento e tempo hábil.

 

 

 

A informação, segundo o veículo, teria sido transmitida pelo presidente do instituto, Danilo Dupas Ribeiro, ao Conselho Nacional de Educação e foi confirmada, inicialmente, pela presidenta do conselho, Maria Helena Guimarães de Castro. Mais tarde, Castro recuou e disse que “entendeu que a prova seria realizada no começo do ano que vem”.

Em meio à polêmica, a assessoria do Inep negou a informação e divulgou um áudio com uma declaração do presidente do instituto durante reunião com o CNE, realizada nesta quinta. Na gravação, uma voz creditada a Dupas Ribeiro afirma que o “Enem está em processo de planejamento”, que “não tinha como assinar algo e definir a data do Enem” e que “estamos engajados para que ocorra este ano”.

À reportagem, Castro disse ter recebido um pedido de Dupas Ribeiro para esclarecer que o adiamento não foi confirmado na reunião.

Na quarta-feira 11, foi publicada uma portaria com as metas globais do ano para o Inep. A realização do Enem não constava no documento. Questionado sobre a ausência da prova entre as metas, o instituto informou, em nota, que atua com o Ministério da Educação para realizar o exame, mas não especificou datas para a prova.

A edição do Enem 2020 também foi adiada para este ano, devido ao avanço da pandemia. As provas foram realizadas em janeiro.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem