Estudantes de escola de SP impedem governo de recolher apostilas

Estudantes da Escola Estadual Professor Antônio Viana de Souza, em Guarulhos, organizaram um abaixo-assinado contra a decisão de Doria

Escola Estadual Professor Antônio Viana de Souza. Foto: Reprodução/Google Maps

Escola Estadual Professor Antônio Viana de Souza. Foto: Reprodução/Google Maps

Educação

Em pelo menos uma das escolas da rede estadual de São Paulo, o governador João Doria não precisará devolver as apostilas que recolheu na última semana alegando “apologia à ideologia de gênero”. Um grupo de estudantes da Escola Estadual Professor Antônio Viana de Souza, localizada em Guarulhos, não acatou a ordem do governador e impediu que os materiais fossem recolhidos.

 

Uma aluna e integrante do Grêmio estudantil teve a ideia de elaborar um abaixo-assinado (imagem abaixo) e colher assinaturas inicialmente entre as quatro turmas do 8º ano, que seriam diretamente afetadas pela retirada das apostilas. No entanto, estudantes do Ensino Fundamental II – 6º ao 9º ano – decidiram aderir ao manifesto. Ao todo, foram 287 assinaturas, como indicou a estudante e presidente do Grêmio Estudantil, Nycole Botelho.


“Não devolvemos e não devolveremos. Seguimos firmes nessa decisão mesmo com toda pressão da Diretoria de ensino”, declarou a estudante à Carta Capital. Segundo ela, mesmo após a decisão da Justiça de SP de que o governo devolva as apostilas às escolas – o prazo de 48 horas se encerra nesta-sexta feira às 11h34 da manhã -, a Diretoria de Ensino teria ido à escola cobrar a devolução do material. A decisão liminar, no entanto, é provisória e cabe recurso.

O pedido pela anulação da retirada das apostilas partiu de um grupo de professores das universidades estaduais UFABC, Unifesp, UFSCar, IFSP, USP e Unicamp que moveu uma ação contra o governo. No entendimento dos professores, o governador violou a Constituição, a legislação educacional, a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e o próprio Currículo Paulista com base apenas em uma visão ideológica sobre o tema.

As apostilas dos estudantes traziam textos na área de Ciências explicando a diferença entre sexo biológico e identidade de gênero, além de orientações de educação sexual, como o uso de preservativos.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site CartaEducação

Compartilhar postagem