Educação

Escolas particulares do Rio de Janeiro adiam retomada de aulas presenciais

O prefeito Marcelo Crivella tinha autorizado a retomada das aulas para 4º, 5º, 8º e 9º anos, a partir da segunda-feira 3

Foto: Agência Brasil.
Apoie Siga-nos no

As escolas particulares do Rio de Janeiro decidiram não retomar as aulas presenciais na cidade a partir da segunda-feira 3. A decisão foi anunciada no sábado 1, depois que o Sindicato dos Professores do Município do Rio de Janeiro e Região (Sinpro-Rio) realizou uma assembleia virtual com mais de 500 docentes.

O sindicato afirmou que a categoria só retornará às atividades presenciais “com o respaldo dos órgãos oficiais da ciência (OMS, Fiocruz, UFRJ e UERJ) e com base em rígidos protocolos de segurança”.

Uma nova assembleia ficou agendada para o dia 15 de agosto. A diretoria do Sinpro-Rio ainda afirmou que pode antecipá-la, em caso de necessidade.

O sindicato já havia publicado uma nota em seu site contra o retorno às aulas presenciais. Na comunicação, o sindicato afirma que o número de mortos no Brasil ultrapassa um Maracanã lotado. O estádio tem capacidade para 78.838 pessoas. No País, os mortos são 93.616, com base nos dados divulgados no sábado 1.

“E mesmo com essa tragédia, há quem defenda a volta às aulas presenciais, publicando vídeos que negam a ciência”, disse o Sinpro-Rio, em clara referência à campanha veiculada pelo Sinepe-Rio, que usou de tom negacionista para estabelecer campanha pela volta às aulas.

“A ciência é o único farol que nos norteia neste momento triste e nebuloso. Negá-la é contribuir para o aumento substancial de mortes. Não há como retornar às aulas presenciais fechando os olhos para o que a ciência vem nos alertando: a ausência de testes em massa e a flagrante subnotificação de dados denunciam que o nosso município não está em curva decrescente na evolução da epidemia”, acrescentou o sindicato.

O prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) havia permitido o retorno das escolas particulares a partir do dia 3 de agosto. Seguindo Crivella, a retomada seria voluntária e válida para estudantes, professores e funcionários dos 4º, 5º, 8º e 9º anos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo