Escolas particulares do Rio de Janeiro adiam retomada de aulas presenciais

O prefeito Marcelo Crivella tinha autorizado a retomada das aulas para 4º, 5º, 8º e 9º anos, a partir da segunda-feira 3

Foto: Agência Brasil.

Foto: Agência Brasil.

Educação

As escolas particulares do Rio de Janeiro decidiram não retomar as aulas presenciais na cidade a partir da segunda-feira 3. A decisão foi anunciada no sábado 1, depois que o Sindicato dos Professores do Município do Rio de Janeiro e Região (Sinpro-Rio) realizou uma assembleia virtual com mais de 500 docentes.

O sindicato afirmou que a categoria só retornará às atividades presenciais “com o respaldo dos órgãos oficiais da ciência (OMS, Fiocruz, UFRJ e UERJ) e com base em rígidos protocolos de segurança”.

Uma nova assembleia ficou agendada para o dia 15 de agosto. A diretoria do Sinpro-Rio ainda afirmou que pode antecipá-la, em caso de necessidade.

O sindicato já havia publicado uma nota em seu site contra o retorno às aulas presenciais. Na comunicação, o sindicato afirma que o número de mortos no Brasil ultrapassa um Maracanã lotado. O estádio tem capacidade para 78.838 pessoas. No País, os mortos são 93.616, com base nos dados divulgados no sábado 1.

“E mesmo com essa tragédia, há quem defenda a volta às aulas presenciais, publicando vídeos que negam a ciência”, disse o Sinpro-Rio, em clara referência à campanha veiculada pelo Sinepe-Rio, que usou de tom negacionista para estabelecer campanha pela volta às aulas.

“A ciência é o único farol que nos norteia neste momento triste e nebuloso. Negá-la é contribuir para o aumento substancial de mortes. Não há como retornar às aulas presenciais fechando os olhos para o que a ciência vem nos alertando: a ausência de testes em massa e a flagrante subnotificação de dados denunciam que o nosso município não está em curva decrescente na evolução da epidemia”, acrescentou o sindicato.

O prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) havia permitido o retorno das escolas particulares a partir do dia 3 de agosto. Seguindo Crivella, a retomada seria voluntária e válida para estudantes, professores e funcionários dos 4º, 5º, 8º e 9º anos.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem