Enem: Governo pediu para trocar o termo ‘ditadura’ por ‘regime militar’

No total, o Conselho criado pelo governo para inspecionar a prova 'desaconselhou' o uso de 66 questões

Presidente Jair Bolsonaro. Foto: Sergio Lima/AFP

Presidente Jair Bolsonaro. Foto: Sergio Lima/AFP

Educação,Política

O Conselho criado pelo governo federal para inspecionar questões do Exame Nacional do Ensino Médio aconselhou que uma questão de Linguagens, Códigos e suas tecnologias substituísse o termo ‘ditadura’ por ‘regime militar’.

 

 

O caso ocorreu na prova de 2019, mas só foi revelado no último dia 5, com o envio de pareceres da comissão pelo Ministério da Educação à Câmara dos Deputados.

Um dos documentos, divulgado pelo jornal O Globo nesta quinta-feira 11, não mostra a íntegra das questões barradas, apenas os motivos pelos quais foram desaconselhadas pelo grupo. No total, o Conselho “desaconselhou” o uso de 66 questões na prova.

Os inspetores receberam um carimbo com “sim/não” para marcar itens aprovados ou barrados. O número de itens analisados foi mantido em sigilo.

Os motivos de reprovação foram detalhados somente agora, um ano depois, em resposta a um requerimento de informação feito pelos deputados Felipe Rigoni (PSB-ES), Tabata Amaral (PDT-SP), Professor Israel (PV-DF), Eduardo Bismarck (PDT-CE), Luisa Canziani (PTB-PR), Aliel Machado (PSB-PR), Tiago Mitraud (NOVO-MG), e o ex-deputado João Campos (PSB-PE).

 

Censura ideológica 

Além de pedir para substituir o que foi a ditadura no Brasil, a comissão afirmou que uma das questões “fere sentimento religioso/ ofensiva à força policial baiana”.

Já um item teve seu texto considerado descontextualizado historicamente e com “distorção do papel da mulher”. Outras foram apontadas pelo grupo como responsáveis por gerar “polêmicas desnecessárias”.

Na área de matemática e suas tecnologias, em que quatro exercícios foram citados, um dos itens “proibidos” foi apontado como responsável por gerar “polêmica desnecessária em relação à ideia de casal”.

A comissão considerou ainda que outra questão da área gerava “polêmica desnecessária a favor da não redução da maioridade penal”.

 

Promessa de campanha

A mudança nas questões do Enem foi uma promessa de campanha do presidente Jair Bolsonaro. A Comissão de verificação dos itens do exame foi criada em março de 2019, durante a gestão do ex-ministro da Educação Ricardo Vélez Rodriguez.

Na época, nota técnica do Inep destacava que o objetivo do grupo, que tinha caráter “consultivo” e era composto de três pessoas, seria “identificar abordagens controversas com teor ofensivo a segmentos e grupos sociais, símbolos, tradições e costumes nacionais”.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem