Educação

Em meio a polêmica dos livros didáticos, Tarcísio diz que não irá demitir Feder

O secretário de Educação é ‘preparadíssimo, estudioso, entusiasmado e idealista’, defendeu o governador

Créditos: Governo de São Paulo/Divulgação
Apoie Siga-nos no

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), negou as suspeitas de que considera demitir o secretário de Educação, Renato Feder, diante das investigações sobre substituição de livros didáticos. A declaração foi publicada em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo neste sábado 5. 

Na última semana, a Secretaria de Educação definiu que irá utilizar um material próprio e 100% digital no currículo escolar paulista, e em decisão com o governo não aderiu ao Programa Nacional de Livros Didáticos do MEC. A medida é investigada pelo MP de São Paulo.

Para Tarcísio, a chance de uma substituição é “zero”. Ele defendeu que Feder é “preparadíssimo, estudioso, entusiasmado e idealista”.

Não é uma decisão desarrazoada. Só foi mal comunicada. Ela faz muito sentido. Tem uma lógica que eles não souberam explicar”, disse o governador.

Segundo o jornal, Feder é investigado pela Procuradoria Geral de Justiça por conflito de interesse, pois ele é sócio da Multilaser, empresa que vendeu computadores para a secretaria que ele também chefia. A empresa ainda mantém contratos com o governo paulista.

Em nota, Feder rebateu que os contratos foram firmados em 2022, antes de ele assumir a secretaria e que enviou os esclarecimentos ao Ministério Público sobre os livros didáticos. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.