Educação

Diretor de escola infantil é exonerado após fake news envolvendo banheiro ‘sem gênero’

Claudinei Batista dos Santos atribui o fato a perseguição política; educador disse que espaço atendia crianças da educação especial

Créditos: Reprodução
Créditos: Reprodução

Um diretor de um colégio público no Distrito Federal afirma ser vítima de perseguição política e envolvimento em de fake news. Claudinei Batista dos Santos, diretor da Escola Classe 01 do Paranoá, foi acusado nas redes sociais de criar um banheiro unissex para as crianças da escola. O caso levou à exoneração do servidor na quarta-feira 12.

O caso ganhou repercussão no Instagram, sob a “polêmica” de um suposto banheiro sem gênero de uma escola infantil no DF. No mesmo dia da exoneração, o pastor e deputado federal Júlio César Ribeiro (Republicanos-DF) levou o caso às suas redes sociais, afirmando que teria entrado em contato secretaria de Educação do Distrito Federal, para pedir providências sobre o caso. “Prontamente já tomaram medidas”, escreveu. Mais tarde, o parlamentar comemorou a exoneração do diretor em suas redes. “O meu trabalho é em defesa da família! Não vamos tolerar este tipo de conduta.”

O banheiro, na verdade, serve serve ao atendimento de crianças da Educação Especial, entre 4 a 5 anos, e que precisam de acompanhamento. E a escola possui vestiários, separados por gênero, para crianças maiores, demais professores e servidores.

Ao saber de sua exoneração, o diretor da escola escreveu uma carta pública. Claudinei afirma que as mentiras sobre o caso foram criadas com interesses políticos. “Declaro que estou muito tranquilo, porque sei que sempre conduzi a direção da escola da maneira mais séria, ética e respeitosa. Lamento profundamente que autoridades recorram a fake news para autopromoção e reafirmo meu compromisso com a proteção das crianças e dos colaboradores sob minha responsabilidade, seja como professor ou como gestor”, completou.

‘Atitude desproporcional e injusta’

O deputado estadual Fábio Félix (PSOL-DF) repercutiu o caso em suas redes, em apoio ao educador exonerado, e considerou a atitude tomada desproporcional e injusta. Ele afirmou que deputados da bancada evangélica da Câmara Federal publicaram fake news em suas redes sobre este caso e agiram nos bastidores para conduzir a exoneração do diretor da escola.

“Os parlamentares alegam que o banheiro afeta o “desenvolvimento psicológico” dos jovens. Quem tem filho sabe que os docentes às vezes precisam acompanhar as crianças. Perigoso seria deixar uma criança despreparada sozinha no banheiro!”, escreveu em uma parte de sua publicação.

“A exoneração do diretor da escola com base nas fake news é uma atitude desproporcional e injusta. O diretor precisou emitir até uma nota pública para se defender de uma polêmica vazia e baseada em intolerância e fundamentalismo religioso. Inacreditável!”, completou.

Em nota, a secretaria de Educação do Distrito Federal afirmou que ‘tomou conhecimento do caso por intermédio de denúncia publicada nas redes sociais e imediatamente determinou a readequação da escola às diretrizes da rede pública de ensino do DF, com banheiros separados para meninos e meninas. Por ter afrontado tais diretrizes, o responsável será exonerado do cargo, bem como serão adotadas as medidas administrativas cabíveis’.

Leia a íntegra da carta do diretor:

“Esclarecimentos acerca da fake news sobre banheiro da EC 01 do Paranoá

Venho a público me manifestar sobre as fake news que estão circulando a respeito dos banheiros da Escola Classe 01 do Paranoá, do qual exerço a gestão até o momento.

A escola sempre teve banheiros separados por gênero. As crianças, de 04 e 05 anos – Educação Infantil, usam os vestiários de forma separada, com total segurança e preservação de suas privacidades.

O que acontece é que a escola, além de atender essa faixa etária (4 – 5 anos), atende crianças da Educação Especial, tratando-se de uma escola inclusiva, em razão das idades e dos perfis todas as crianças sempre vão acompanhadas de seus professores ou monitores ao banheiro. Tratando-se de um banheiro adaptado a crianças muito pequenas, que JAMAIS vão lá sozinhas.

Este banheiro serve apenas para que os e as docentes acompanhem os menores, não se trata de um banheiro unissex para os alunos, conforme levam a crer as fake news.

Reitero: crianças maiores, demais professores e servidores usam os vestiários devidamente separados por gênero.
Outrossim, destaco que existe ainda mais 01 banheiro a ser disponibilizado para nossas crianças após conclusão de devida reforma e corretas adaptações funcionais para nossas crianças especiais.

Em virtude das mentiras espalhadas para atender a pedidos descabidos e interessados que desejam usar politicamente desta mentira para se promover – foi encaminhado para publicação a minha exoneração. Colocando em cheque minha reputação profissional, bem como todo o excelente trabalho que vem sendo realizado por toda equipe escolar.

Declaro que estou muito tranquilo, porque sei que sempre conduzi a direção da escola da maneira mais séria, ética e respeitosa. Lamento profundamente que autoridades recorram a fake news para autopromoção e reafirmo meu compromisso com a proteção das crianças e dos colaboradores sob minha responsabilidade, seja como professor ou como gestor.

Claudinei Batista dos Santos
Diretor da Escola Classe 01 – Paranoá/DF”

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!