Educação

Acesso desigual à internet aprofunda injustiça social

É o que aponta recente relatório elaborado pela Unicef

Crianças aprendem com ajuda de um tablet no norte dos Camarões. Créditos: Unicef
Crianças aprendem com ajuda de um tablet no norte dos Camarões. Créditos: Unicef

Apesar da enorme presença on-line das crianças – 1 em cada 3 usuários de internet em todo o mundo é uma criança – muito pouco é feito para protegê-las dos perigos do mundo digital e para aumentar seu acesso a conteúdos virtuais seguros, afirma a UNICEF em seu Relatório Anual de Alerta.

O Estudo The State of the World’s Children 2017: Children in a digital world apresenta o primeiro olhar abrangente da UNICEF sobre as diferentes maneiras pelas quais a tecnologia digital está afetando a vida das crianças e as chances de vida, identificando perigos e oportunidades. O relatório argumenta que os governos e o setor privado não acompanharam o ritmo da mudança, expondo as crianças a novos riscos, prejudicando e deixando para trás milhões de crianças.

O relatório explora os benefícios que a tecnologia digital pode oferecer às crianças desfavorecidas, inclusive aquelas que crescem na pobreza ou são afetadas por emergências humanitárias. Isso inclui o aumento do acesso à informação, a construção de habilidades para o local de trabalho digital e dar-lhes uma plataforma para se conectar e comunicar seus pontos de vista.

Mas o relatório mostra que milhões de crianças estão perdendo. Cerca de um terço da juventude mundial – 346 milhões – não está online, exacerbando as desigualdades e reduzindo a capacidade das crianças de participar de uma economia cada vez mais digital.

O relatório também examina como a Internet aumenta a vulnerabilidade das crianças em riscos e danos, incluindo o uso indevido de suas informações privadas, o acesso a conteúdos prejudiciais e o acúmulo de ciberbullying. A presença onipresente de dispositivos móveis, segundo o relatório, fez o acesso on-line de muitas crianças ser menos supervisionado – e potencialmente mais perigoso.

E as redes digitais, como a Dark Web e as criptografias, estão permitindo as piores formas de exploração e abuso, incluindo o tráfico e o abuso sexual infantil “feito sob encomenda”.

O relatório apresenta dados e análises atuais sobre o uso on-line das crianças e o impacto da tecnologia digital sobre o bem-estar das crianças, explorando debates crescentes sobre o “vício” digital e o possível efeito do tempo de tela no desenvolvimento do cérebro.

O relatório inclui:

  • Os jovens são a faixa etária mais conectada. Em todo o mundo, 71% deles estão online em comparação com 48% da população total.
  • A juventude africana é a menos conectada, com cerca de 3 de cada 5 jovens offline, em comparação com apenas 1 em cada 25 na Europa.
  • Aproximadamente 56% de todos os sites estão em inglês e muitas crianças não conseguem encontrar conteúdo que eles entendam ou que seja culturalmente relevante.
  • Mais de 9 em 10 URLs de abuso sexual infantil identificados globalmente são hospedados em cinco países – Canadá, França, Holanda, Federação Russa e Estados Unidos.

Somente uma ação coletiva – por governos, setor privado, organizações infantis, famílias e crianças – pode ajudar a nivelar o campo digital e tornar a internet mais segura e acessível para crianças, diz o relatório.

Recomendações práticas para ajudar a orientar uma formulação de políticas mais eficazes e práticas comerciais mais responsáveis para beneficiar as crianças incluem:

  • Fornecer a todas as crianças fácil acesso a recursos on-line de alta qualidade.
  • Proteger as crianças de danos on-line – incluindo abuso, exploração, tráfico, cyberbullying e exposição a materiais inadequados.
  • Proteger a privacidade e identidades das crianças on-line.
  • Ensinar alfabetização digital para manter as crianças informadas, envolvidas e seguras on-line.
  • Aproveitar o poder do setor privado para promover padrões e práticas éticas que protejam e beneficiem crianças on-line.
  • Colocar as crianças no centro da política digital.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!