Covas permite retomada de Ensino Superior a partir de 7 de outubro

Escolas públicas e particulares também poderão voltar a partir da data com atividades de reforço e acolhimento

O prefeito da cidade de São Paulo, Bruno Covas (PSDB). Foto: Governo do estado de São Paulo

O prefeito da cidade de São Paulo, Bruno Covas (PSDB). Foto: Governo do estado de São Paulo

Educação

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), anunciou nesta quinta-feira 17 a retomada das aulas presenciais para estudantes do Ensino Superior a partir de 7 de outubro. A decisão vale para o ensino público e privado na cidade.

“Não tem mais sentido, com os dados que nós temos, continuar a proibir o ensino superior na cidade de São Paulo”, disse o prefeito.

As escolas de educação básica também poderão retomar a partir da data com atividades de reforço e  acolhimento nas etapas da Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio.

O secretário estadual de Educação, Rossieli Soares, afirmou que a volta não será obrigatória a estudantes e professores nesse momento.

“Abrir as escolas para as atividades extracurriculares tem sido um passo importante nas cidades que já iniciaram. Temos bom exemplo, aprendizado. São atividades opcionais. É opcional ir para escola. Não é obrigatório escola abrir, não é obrigatório par ao professor nem para a família. Essa é uma experiência importante durante o mês de outubro para que a gente continue avaliando e avançando com a saúde em primeiro lugar”, afirmou Soares.

A definição sobre a retomada das aulas regulares para esses alunos, entretanto, só deve ser definida em novembro. O retorno deverá priorizar os alunos dos anos finais, conforme sinalizou o secretário municipal de educação, Bruno Caetano.

“Iniciaremos, quando pudermos retornar presencialmente, pelo terceiro ano Ensino Fundamental, pelo sexto ano do Ensino Fundamental, pelo nono ano do Ensino Fundamental e pelo terceiro ano do Ensino Médio. Há uma razão pedagógica para isso. No ano seguinte, esses alunos estarão mudando de ciclo, tornando a recuperação das aprendizagens mais difíceis”, disse Caetano.

Entre outras regras sanitárias e de distanciamento, as escolas deverão receber até 35% da sua capacidade para alunos da Educação Infantil e Fundamental e nos anos iniciais; e até 20% da sua capacidade para alunos do Ensino Médio e anos finais.

Segundo a terceira fase do inquérito sorológico apresentada pela prefeitura nesta quinta, mais de 244 mil alunos das redes pública e privada já tiveram contato com o vírus da Covid-19 na capital paulista e 66% são assintomáticos. A terceira fase do inquérito sorológico entre crianças e adolescentes aponta que 16,5% dos alunos possuem anticorpos do novo coronavírus.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem