Educação

Comissão de Educação, comandada por Nikolas Ferreira, terá debate com presença de Camilo Santana

Ministro participará de audiência programada para quarta-feira para tratar de greve e orçamento do MEC

Foto: Agência Câmara
Apoie Siga-nos no

A Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, comandada pelo deputado bolsonarista Nikolas Ferreira (PL-MG), recebe nesta quarta-feira 12 o ministro Camilo Santana.

O chefe da pasta da Educação do governo Lula (PT) foi convidado a participar de um debate a pedido de quatro deputados, um do PT – Pedro Uczai (PT-SC) – e outros três da oposição – Delegado Paulo Bilynskyj (PL-SP), André Fernandes (PL-CE) e Adriana Ventura (Novo-SP).

Camilo Santana, conforme apontam os convites, deverá tratar de pelo menos três temas relacionados a sua pasta, sendo a greve nas universidades federais o principal.

Pedro Uczai, autor de um dos convite aos ministro, afirma que o MEC tem demonstrado compromisso contínuo com a melhoria e o fortalecimento da educação em todos os níveis no Brasil.

“No ano de 2023, o MEC realizou ações significativas como a retomada de obras da educação básica e a implantação de programas estratégicos como Escola em Tempo Integral”, cita Uczai no convite.

Opositores, no entanto, citam o congelamento de verbas e obras paradas como pontos que necessitam de esclarecimentos de Camilo.

“As ações ligadas à pesquisa e assistência estudantil em universidades e no ensino básico estão entre as mais impactadas [com o corte de orçamento]”, afirma Bilynskyj.

André Fernandes, por sua vez, critica a quantidade de obras paralisadas na educação e afirma que, até o momento, o MEC não deu começou nenhuma obra nova, só finalizou construções que já estavam em execução.

“Seis em cada dez obras paradas são de construções de escolas, mas há também quadras, coberturas, reformas e ampliações de salas de aula, que beneficiariam cerca de 741 mil alunos.”

Nesta segunda, dois dias antes de ir à Câmara, Camilo Santana participa de um anúncio de 5,5 bilhões de reais em investimentos para universidades brasileiras. O evento ocorre em Brasília, com a presença do presidente Lula e de reitores das instituições de ensino.

Desse montante, mais de 3 bilhões serão usados na consolidação de estruturas, 600 milhões serão destinados à expansão e os outros quase 2 bilhões devem compor o orçamento de hospitais universitários.

(Com informações de Agência Câmara de Notícias)

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo