Educação

Camilo mantém nome do governo Bolsonaro na coordenação de políticas do Ensino Médio

A recondução de Fernando Whirtmann Ferreira ao cargo coincide com o momento em que o governo Lula é pressionado pela revogação do Novo Ensino Médio

Foto: José Cruz/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O ministro da Educação, Camilo Santana, decidiu manter à frente das políticas do Ensino Médio um profissional nomeado ao cargo pelo governo Bolsonaro.

Na quinta-feira 30, o ministro reconduziu Fernando Whirtmann Ferreira para o cargo de coordenador geral de Ensino Médio junto à Diretoria de Políticas e Diretrizes da Educação Integral Básica, ligada à Secretaria de Educação Básica do MEC.

Em novembro de 2020, o então ministro da Educação, Milton Ribeiro, designou Whirtmann para o mesmo cargo.

A recondução do coordenador ao cargo coincide com o momento em que o governo Lula (PT) é pressionado pela revogação do Novo Ensino Médio, em vigor desde que o ex-presidente Michel Temer chancelou a reforma da etapa da educação básica.

Antes de integrar os governos, Fernando Whirtmann Ferreira atuou como Diretor da Diretoria de Ensino Médio da Secretaria de Estado e Educação do Distrito Federal (SEEDF), de 2015 a 2020, tendo como uma de suas responsabilidades a implementação do currículo do Novo Ensino Médio nas escolas da rede pública do Distrito Federal.

A decisão de Camilo foi questionada pelo educador e cientista político Daniel Cara, que foi um dos coordenadores do grupo de educação na transição ao governo petista.

“Diante de todo o debate pela revogação ou revisão do Novo Ensino Médio, não faz nenhum sentido o atual MEC recolocar no Governo Lula o Coordenador-Geral de Ensino Médio do governo de Jair Messias Bolsonaro. Não encontro qualquer explicação plausível”, escreveu em suas redes sociais.

A reportagem de CartaCapital questionou o Ministério da Educação, mas não recebeu resposta.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.