Educação

Brinquedos eletrônicos desestimulam desenvolvimento da linguagem

Segundo estudo, brinquedos tradicionais e livros são muito mais relevantes para a evolução comunicativa da criança e para interação com os pais

 brinquedo linguagem eletrônico
brinquedo eletronico
brinquedo linguagem eletrônico
Apoie Siga-nos no

Nós já falamos como fugir dos brinquedos prontos, transformando qualquer objeto em brincadeira, é importante para o estímulo da criatividade, imaginação e capacidade de construir das crianças.

Pois um estudo americano da Northern Arizona University, divulgado recentemente, trouxe mais descobertas a favor deste movimento ao apontar que brinquedos que emitem luzes, palavras, músicas e outros sons, isto é, automatizados podem desencorajar o desenvolvimento da linguagem nas crianças pequenas.

Segundo a investigação, publicada em dezembro de 2015 na revista JAMA Pediatrics, o ambiente linguístico no qual a criança está inserida nos primeiros anos de sua vida influencia seu repertório de linguagem mais tarde, afetando sua capacidade de ler e, até mesmo, seu sucesso acadêmico. Neste cenário, a pesquisa constatou que o tipo de brinquedo utilizado durante as brincadeiras na infância tem um peso importante, estando associado à qualidade da comunicação entre pais e filhos.

As conclusões vieram de um experimento controlado com 26 voluntários, realizado entre fevereiro de 2013 e junho de 2014, que observou pais e seus bebês em um ambiente de comunicação durante brincadeiras envolvendo três diferentes conjuntos de brinquedos – eletrônicos, tradicionais (como quebra-cabeças e blocos de montar) e livros. Os bebês envolvidos possuíam idade entre 10 e 16 meses e cada sessão de brincadeira durava cerca de 15 minutos.

Leia também: A brincadeira 
é livre!
A escola ainda tem espaço para a liberdade

Os pesquisadores então mediram o número de palavras ditas pelos adultos, as vocalizações das crianças, turnos de conversação, respostas verbais dos pais para as crianças, além de expressões e palavras produzidas pelos pais em 3 diferentes categorias semânticas por minuto durante as sessões de brincadeira.

Os resultados? Entre os 26 pares analisados, o tipo de brinquedo estava diretamente associado aos efeitos verbais. Durante a brincadeira com eletrônicos, as crianças vocalizaram menos, menos palavras foram emitidas pelos adultos, houve menor número de turnos de conversação, menor número de respostas dos pais e menos produções de palavras de conteúdo específico do que durante interações com brinquedos tradicionais ou livros.

Em outras palavras, brincar com brinquedos eletrônicos diminui a quantidade e a qualidade da aquisição de linguagem se comparado com brincadeiras que envolvem livros e brinquedos tradicionais. Logo, se o objetivo é promover o desenvolvimento precoce de linguagem na criança, brincar com eletrônicos deve ser desencorajado. Além disso, os brinquedos tradicionais e a leitura de livros se provaram alternativas muito mais valiosas para a construção de interações mais significativas entre pais e filhos.

Thais Paiva
Jornalista formada pela PUC-SP e bacharel em Letras pela USP. Já trabalhou no site da revista Crescer e escreve sobre educação desde 2013.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.