Educação

Bolsonaro fala em retorno da Educação Moral e Cívica às escolas

Disciplina foi criada durante a ditadura e extinta em 1993 por não ser considerada parte de um regime democrático

O governo Bolsonaro sinalizou que a disciplina de Educação Moral e Cívica deve retornar ao currículo escolar. Em live realizada nesta quinta-feira 20, o ministro da Controladoria-Geral da União, Wagner de Campos Rosário, afirmou que cartilhas direcionadas aos primeiros anos do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) estão prontas e devem chegar às escolas em 2021.

“Estamos trabalhando a integridade da porta pra fora do governo, passando noções de ética, cidadania, respeito ao patrimônio público. É uma contribuição para a geração futura”, disse o ministro. “Tenho certeza de que em breve vamos ter jovens mais cientes do que é o recurso público, do valor que é o pagamento de impostos e a aplicação de recursos do governo”, afirmou o ministro.

Neste momento, o presidente Bolsonaro o questionou: “Seria parecido com a volta da Educação Moral e Cívica?”.

Ao que o ministro respondeu: “Mais ou menos isso aí. Numa parceria com o Instituto Maurício de Souza, numa forma lúdica, utilizando a turma da Mônica”, explicou.

Ainda de acordo Rosário, o material para os estudantes dos anos finais do Ensino Fundamental (6º ao 9º) está sendo trabalhado.

“Ainda vamos conversar com o ministro Milton Ribeiro [da educação] para incluir as cartilhas no Plano Nacional do Livro Didático (PNLD) e chegar às escolas”, afirmou.

Disciplina saiu do currículo em 1993

A disciplina foi extinta dos currículos das escolas brasileiras em 1993 pelo então presidente Itamar Franco, por não considerá-la condizente com um regime democrático.

A Educação Moral e Cívica foi criada em setembro de 1969 como disciplina obrigatória nas escolas de todas etapas e modalidades pelo presidente Arthur da Costa e Silva (1967-69), criador do AI-5, durante a fase mais dura e brutal da ditadura brasileira.

A disciplina previa o culto à pátria, bem como aos seus símbolos, tradições e instituições a fim de “aprimorar o caráter do aluno por meio de apoio moral e dedicação tanto à família quanto à comunidade”. Tratava-se de uma maneira de exaltar o nacionalismo presente na época da ditadura.

Com o passar dos anos, o ensino da disciplina foi flexibilizado. Primeiro, tornou-se obrigatório apenas para algumas séries. Em 1992, passou a ser opcional; até ser extinto em 1993.

Escolas militarizadas

O presidente Jair Bolsonaro voltou a abordar o compromisso de ampliar o número de escolas militarizadas, para o total de 200 unidades, até o final da gestão em 2022. “Onde tem hierarquia e disciplina, você vai pra frente, disse o presidente ao se referir à visita recente à uma escola do modelo em Bagé, Rio Grande do Sul. “Se colar vai ser expulso”, acrescentou, referindo-se à rigidez do modelo com os estudantes.

O Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares (Pecim) prevê a implantação de com 54 escolas militarizadas no País este ano.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!