Abraham Weintraub comete mais um erro de português nas redes sociais

Recentemente, o ministro da educação escreveu impressionante com a letra c, em uma resposta ao deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP)

Abraham Weintraub, ministro da Educação (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Abraham Weintraub, ministro da Educação (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Educação

O ministro da educação Abraham Weintraub cometeu novos erros de português em sua conta no Twitter. Na manhã desta segunda-feira 17, o ministro publicou uma foto de dentro de um avião comercial, para afirmar que suas viagens não são privilegiadas.

 

A questão é que na legenda utilizada para acompanhar a foto, Weintraub escorrega no português. “Aonde está a pompa e a liturgia do cargo? Na poltrona 16A…”. A frase correta seria: “Onde está a pompa e a liturgia do cargo?” O uso da palavra “aonde” está incorreto. A junção da preposição “a” com o advérbio “onde” é usada para dar uma ideia de movimento. Nesse caso, o ministro fala de um lugar que seria fixo e deveria ter usado o termo “onde”.

Não é a primeira vez, que o ministro da educação comete deslizes com a Língua Portuguesa. A história mais recente foi o “imprecionante” escrito em uma resposta ao deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

Ministro da Educação escreve “imprecionante” em rede social (Reprodução)

Em agosto de 2019, o ministro enviou um documento com erros de português ao ministro da Economia, Paulo Guedes, pedindo mais recursos para sua pasta. No texto, Weintraub explica que as verbas previstas para a Educação em 2020 são insuficientes e alerta para o risco de “paralização”.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem