Editorial

assine e leia

O protetor

Presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, manda e desmanda na política nativa e garante a permanência de um demente na presidência do País, sem deixar de fazer os negócios que engordam seus bolsos

Eduardo Cunha e Arthur Lira ligados pela obsessão de transformar a privatização da Petrobras como negócio particular em benefício próprio - Imagem: Luis Macedo/Ag. Câmara
Apoie Siga-nos no

Recebo o bilhete de um velho amigo, Roberto Amaral, outrora tido como uma espécie de eminência parda da política nativa, por lhe conhecer profundamente caminhos e descaminhos. Ele sabia que informação é poder. Diz então Roberto: “Arthur Lira, o gângster que preside a Câmara dos Deputados como se fora uma cloaca alagoana, está por todos os meios tentando calar a voz do deputado Glauber Braga. Não amedronta com suas ameaças, daí promover no Conselho de Ética um processo de cassação de mandato, acusando-o de quebra de decoro parlamentar, por ter-lhe perguntado se não tinha vergonha de estar conspirando contra a Petrobras. O processo corre a jato. Não podemos permitir a consumação desta violência”.

Lira carrega inúmeros pecados. Distingue-o, sobretudo, o fato de que arca com o papel de protetor do bolsonarismo e do demente-mor e executa a tarefa com extremo denodo, de forma a tornar-se uma espécie de dono da situação. Este, aliás, é o seu plano, e a investida para subtrair ao Estado o comando da nossa grande empresa petrolífera faz parte do conjunto natural de sua obra. Seu desabusado interesse por esta privatização liga-o de certa maneira a um predecessor com intenções igualmente daninhas. Aludo ao famigerado Eduardo Cunha, que foi capaz de infernizar a vida do governo de Dilma Rousseff.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo