Saque do FGTS será limitado a 500 reais, diz Onyx Lorenzoni

O anúncio das medidas para o FGTS está previsto para a tarde desta quarta-feira 24. Ministros esperam injeção econômica de 30 bi em 2019

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (Foto: Marcos Corrêa / PR)

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (Foto: Marcos Corrêa / PR)

Economia

O saque de contas ativas e inativas do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), prometido pelo governo Bolsonaro para esta semana, será limitado a 500 reais por pessoa. Quem confirmou a informação foi o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, na manhã desta quarta-feira 24, em entrevista à Rádio Gaúcha. O anúncio das medidas para o FGTS está previsto para esta tarde.

“O período de saque autorizado, que vai ser assinado na medida provisória hoje à tarde, pelo presidente Jair Bolsonaro, será de agosto de 2019 até março de 2020”, complementou Lorenzoni. O ministro afirmou ainda que a medida, feita aos moldes do realizado pelo governo de Michel Temer em 2017, injetará 30 bilhões de reais na economia neste ano e 10 bilhões em 2020.

Paulo Guedes, ministro da Economia, também comentou sobre a medida no Palácio do Planalto, em Brasília, na terça-feira 23. Segundo Guedes, o governo pretende permitir um saque anual de contas ativas e inativas em caráter definitivo. Todos os anos, o trabalhador retiraria um percentual do saldo ou um valor fixo. “O governo passado soltou só [o saque para contas] inativas. Nós vamos soltar ativas e inativas. Eles soltaram uma vez só. Nós vamos soltar para sempre. Todo ano vai ter”, comentou.

Da injeção prevista para este ano, 28 bilhões decorreria da liberação dos saques do FGTS e 2 bilhões das contas do PIS/Pasep. A partir de 2020, o trabalhador poderá retirar uma parcela da conta do FGTS no mês de aniversário, com um intervalo de tolerância para sacar, segundo técnicos do Ministério da Economia.

O secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, afirmou que as medidas em relação ao FGTS teriam impacto de curto e de médio prazo. Segundo ele, a equipe econômica está tendo cuidado para que a liberação não descapitalize o fundo, que financia projetos de moradia popular, saneamento e infraestrutura.

*Com Agência Brasil

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem