Economia

Rendimento médio dos brasileiros é o menor desde 2012, aponta IBGE

O País registrou um aumento no número de pessoas ocupadas, mas empregos informais ainda puxam o crescimento

Perda total ou em parte da renda mensal já atingiu 40% dos brasileiros. Foto: AFP.
Apoie Siga-nos no

O rendimento médio real dos brasileiros atingiu o patamar de 2.447 reais, o menor registrado na série histórica desde 2012. Os dados fazem parte da pesquisa PNAD Contínua Trimestral, divulgada nesta quinta-feira 24 pelo IBGE, e que tomou como base o quatro trimestre de 2021.

O valor também representa um recuo de 3,6% em relação ao trimestre anterior (2.538) e de 10,7% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior (2.742).

A massa de rendimento real habitual somou 229,4 bilhões de reais. A média anual foi de 230,6 bilhões em 2021, uma redução de 2,4% (menos 5,6 bilhões) na comparação com 2020.

Em relação ao mercado de trabalho, o País registrou um aumento no número de pessoas ocupadas, 95,7 milhões de pessoas exerciam algum trabalho remunerado no período avaliado. O valor representa um crescimento de 3% na comparação trimestral e 9,8% na comparação anual.

A melhora, no entanto, é puxada pelos empregos informais, que não oferecem ao trabalhador vínculos empregatícios, tal como carteira assinada.

Os postos de trabalho informais tiveram alta de 18,3% (de 10,5 milhões para 12,4 milhões), enquanto as vagas formais subiram 9,2% em 2021 (de 31,6 milhões para 34,5 milhões).

Com isso, o número de trabalhadores por conta própria atingiu 25,9 milhões de pessoas, com crescimento de 13,1% em relação a 2020. A alta corresponde a 3 milhões de pessoas no ano. Segundo o IBGE, a taxa de informalidade foi de 40,7% da população ocupada, o que corresponde a 38,9 milhões.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.