Economia

Proposta brasileira de tributação mundial dos ricos ganha mais apoio internacional

Alemanha, Espanha e África do Sul assinaram carta em apoio ao projeto brasileiro em discussão no G20

No G20, o ministro das Finanças da França, Bruno Le-Maire, foi o primeiro a demonstrar apoio público à proposta de Haddad para taxar os ricos. Foto: Jim WATSON / AFP
Apoie Siga-nos no

A Alemanha, a Espanha e a África do Sul declararam, nesta quinta-feira (25), o seu apoio ao projeto de taxação mundial dos mais ricos, defendida pelo Brasil, que ocupa a presidência do G20. A França já declarou ser favorável à medida.

Em uma carta publicada em vários jornais, incluindo Der Spiegel (Alemanha) e El Pais (Espanha), cinco ministros dos três países asseguram que esta iniciativa constituiria um “passo importante” na luta global “contra as desigualdades”.

“As últimas duas décadas foram marcadas por um aumento significativo da desigualdade na maioria dos países, tendo a disparidade de rendimento entre os 10% mais ricos e os 50% mais pobres quase duplicado”, apontam os signatários desta carta.

Ela descreve uma situação que “prejudica o desenvolvimento econômico” e se revela “corrosiva para a democracia”, prossegue o documento, assinado pela número dois do governo espanhol, Maria Jesus Montero, pela ministra alemã do Desenvolvimento, Svenja Schulze, e pela ministra sul-africana das Finanças, Enoch Godongwana.

Na carta, os ministros apontam “a persistência de lacunas” no sistema tributário internacional, o que permite aos mais ricos reduzir significativamente o seu nível de tributação: em média, o “imposto sobre o rendimento” pago pelos bilionários não ultrapassa “0,5% dos seus bens”.

No entanto, o estabelecimento de uma “taxa global mínima coordenada sobre os multimilionários” permitiria combater as deficiências e daria aos governos os meios “para investir em bens públicos como a saúde, a educação” ou “o meio ambiente”, acrescentam.

Por esse motivo, dizem julgar favoravelmente a iniciativa do Brasil de “cooperação tributária internacional inclusiva, justa e eficaz”.

“É hora de a comunidade internacional levar a sério a luta contra a desigualdade e o financiamento dos bens públicos globais”, concluem.

França já deu apoio

Na semana passada, durante reuniões do FMI e do Banco Mundial nos Estados Unidos, o ministro da Economia e Finanças da França, Bruno Le Maire, disse que iria apoiar e trabalhar com o Brasil para aprovar a proposta do ministro da Fazenda brasileiro, Fernando Haddad, de tributação dos super-ricos que escapam do pagamento de impostos.

Brasília, que ocupa a presidência rotativa do G20 desde dezembro, fez desta tributação global uma de suas prioridades. Para isso, o Brasil se inspira no trabalho do economista francês Gabriel Zucman.

Segundo ele, se os 3.000 bilionários do planeta pagassem pelo menos o equivalente a 2% da sua fortuna em impostos sobre o rendimento, este imposto global poderia gerar mais de U$ 250 bilhões suplementares.

O cofundador do European Tax Observer e especialista em evasão fiscal, avalia que a presidência brasileira do G20, sob Lula, representa uma “oportunidade histórica” de os países avançarem em um acordo global para aumentar a tributação das riquezas.

O Brasil vem pressionando o grupo de países, que juntos detêm 80% da economia global, para adotarem uma posição comum para evitar a evasão fiscal dos bilionários. O assunto tornou-se ainda mais atual, pois os países precisam aumentar as receitas para manter seus níveis de dívida sob controle e ter os meios para conduzir a transição ecológica.

Porém, a ideia de aumentar a tributação dos mais ricos tem sido dificultada durante anos pela falta de ambição internacional e pelas falta de acordos entre sistemas fiscais muito diferentes.

Com informações da AFP

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo