Primeira parcela do auxílio emergencial ainda não chegou a 1/3 dos solicitantes, aponta Datafolha

Segundo o governo, cerca de 10 milhões de pessoas ainda aguardam resposta sobre o auxílio

Créditos: Andréa Rêgo Barros/PCR

Créditos: Andréa Rêgo Barros/PCR

Economia

Cerca de 1/3 dos brasileiros que fizeram solicitação pelo auxílio emergencial aprovado durante a pandemia não recebeu nenhuma das parcelas. A conclusão é da pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira 28. Dos 2069 brasileiros ouvidos, 43% dos entrevistados solicitaram o auxílio. Destes,  cerca de 2/3 já foram atendidos com o pagamento de pelo menos uma parcela.

Entre a população mais pobre, 60% solicitou o benefício. A média dos que não tiveram respostas se mantem em 1/3. 2/3 dos que solicitaram já conseguiram receber o auxílio.

A pesquisa ainda mostra que mais da metade dos entrevistados, 57%, não fez o pedido pelo auxílio emergencial. Esse percentual cai para 40% entre as pessoas que ganham até dois salários mínimos por mês.

Segundo o governo, cerca de 10 milhões de pessoas ainda aguardam resposta sobre o auxílio. Os cadastros para acessar o programa permanecerão abertos até julho.

Parte dos parlamentares do Congresso defendem a ampliação do número de parcelas do benefício para além das três previstas, mas a pauta não encontra apoio da equipe econômica. O ministro Paulo Guedes defende uma redução do atual valor de R$ 600 e aponta R$ 200 como uma quantia possível de ser paga aos trabalhadores por mais um ou dois meses, visto que a pandemia do coronavírus pode durar mais do que o previsto. O valor é o mesmo que foi proposto inicialmente pelo governo como parcela ao benefício.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem