Economia

Prates: ‘Lula jamais me pediu para baixar, aumentar ou segurar o preço do combustível’

Especulações ganharam tração após duas reuniões entre o presidente e Prates, ocorridas no Palácio do Planalto

O senador Jean Paul Prates (PT-RN). Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado
Apoie Siga-nos no

O presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, disse nesta sexta-feira que o presidente Lula (PT) jamais pediu que a estatal baixasse ou aumentasse os preços dos combustíveis nas refinarias. A declaração foi concedida a jornalistas durante coletiva de imprensa no Rio de Janeiro sobre o plano estratégico da Petrobras para os próximos cinco anos.

“O presidente jamais me pediu para baixar, aumentar ou segurar o preço do combustível. Ele sabe que há um rito para isso. Há um procedimento para dar ordem à empresa. Existe um fórum e uma forma certa de fazer isso. E ele jamais infringiu isso“, pontuou.

As especulações sobre uma possível cobrança pela queda no preço dos combustíveis ganharam tração após duas reuniões entre Lula e Prates, ocorridas no Palácio do Planalto nesta semana.

Prates destacou que os encontros foram solicitados por ele e tinham como objetivo a apresentação do “conceito do plano estratégico”, aprovado pelo Conselho de Administração e divulgado ao mercado financeiro na quinta-feira. Disse também que o petista não teve acesso ao detalhamento do projeto e só opiniou sobre os “aspectos gerais”.

Uma declaração do ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira (PSD), também ampliou os rumores em torno do tema. Em entrevista à GloboNews, Silveira prometeu dar um “puxão de orelhas” e acionar a Petrobras para reduzir os preços dos derivados nas refinarias.

“É importante, respeitando a governança da Petrobras, respeitando a sua natureza jurídica. Mas já está na hora de puxarmos a orelha de novo da Petrobras, para que ela volte à mesa e possa colocar com clareza”, disse o ministro.

Prates também voltou a afirmar que, em nenhum momento, se sentiu ameaçado no cargo, após circularem notícias de que sua permanência à frente da Petrobras estaria sob risco. Conforme pontuou, o presidente Lula tem todo o direito, como qualquer cidadão, de questionar sobre os preços dos combustíveis.

O Plano Estratégico da Petrobras 2024-2028 prevê 102 bilhões de dólares em investimentos. O montante é 31% superior ao do plano passado, aprovado no final do governo Jair Bolsonaro (PL), que previa 78 bilhões em 5 anos. O planejamento, informou a estatal em nota, visa preparar a empresa para o futuro e inicia um processo de integração de fontes para a transição energética.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.