Economia

Lula e outros políticos lamentam morte de Abílio Diniz; leia as principais reações

Empresário e fundador do grupo Pão de Açúcar, Diniz era tido como o grande visionário do varejo brasileiro

O empresário Abilio Diniz, 87, faleceu em São Paulo (SP). Foto: Nelson Almeida/AFP
Apoie Siga-nos no

Autoridades lamentaram, nesta segunda-feira 19, a morte do empresário Abílio Diniz, aos 87 anos. O fundador do grupo Pão de Açúcar, que sofria de insuficiência respiratória em razão de uma pneumonite, faleceu na noite de domingo 18, em São Paulo.

Lula se pronunciou no início da tarde desta segunda-feira 19. Pelas redes sociais, disse ter perdido um amigo, com quem conversava muitas vezes.

“Abílio era um empresário dedicado, que participou da gestão, crescimento e criação de muitas empresas no Brasil. Sempre viveu com uma grande determinação e dedicação ao trabalho, superando dificuldades e perdas pessoais. Tive o prazer de ser seu amigo e conversar muitas vezes com ele sobre os rumos do nosso país”, escreveu o presidente em seu perfil.

O vice-presidente da República, Geraldo Alckmin (PDB-SP), também via redes sociais, disse ter recebido a notícia do falecimento com “grande pesar”. “Sua vitalidade, dedicação ao trabalho e fé no Brasil formaram grandes lições de vida. Que seu exemplo continue a inspirar as próximas gerações de empresários no Brasil”, escreveu Alckmin.

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), foi outro a lamentar o falecimento. Em publicação nas redes, Freitas disse que sempre teve admiração pelo empresário: 

“Abílio teve uma trajetória brilhante não só pelo seu empreendedorismo, mas também pelo estilo de vida que inspirava muita gente a aspirar sua longevidade e energia”, anotou o governador. 

Já o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), destacou que Abilio foi “um dos principais empresários brasileiros” e que “participou ativamente das transformações do setor produtivo e teve papel fundamental no desenvolvimento econômico e social do país”. 

Arthur Lira (PP-AL), presidente da Câmara dos Deputados, ao repercutir a morte, afirmou ter perdido “um amigo”, ao passo que o país “perdeu um exemplo de empreendedor, de competência”. Para o parlamentar, o empresário “sempre viu o Brasil com otimismo, com esperança e fé inquebrantável no nosso futuro”. 

O prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), também se expressou sobre a morte do empresário. “Abílio Diniz nos deixa, e deixa um legado de exemplo a ser seguido. Empresário bem-sucedido, gerador de emprego e de renda, ele também era pessoa admirável: um apaixonado por seu País e um sobrevivente aos infortúnios”, citou Nunes.

O velório de Diniz será nesta segunda-feira 19, no Salão Nobre do estádio do Morumbi, na capital paulista.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo