Petrobras informa perdas de R$ 48,52 bilhões no primeiro trimestre

'Pior crise dos últimos 100 anos', disse o diretor-executivo da Petrobras

Plataforma P 70 da Petrobras, na Baía de Guanabara (RJ) (Foto: André Motta de Souza /  Agência Petrobras)

Plataforma P 70 da Petrobras, na Baía de Guanabara (RJ) (Foto: André Motta de Souza / Agência Petrobras)

Economia

A Petrobras informou, nesta quinta-feira 14, perdas de R$ 48,523 bilhões no primeiro trimestre do ano e alertou para a difícil situação do setor petroleiro, devido à pandemia do novo coronavírus.

A companhia registrou entre janeiro e março deste ano seu pior trimestre desde o escândalo de corrupção entre 2014 e 2017. O prejuízo bilionário se deveu, sobretudo, a um ajuste contábil de R$ 65,3 bilhões, provocado pela desvalorização de seus campos de petróleo.

“A indústria global de petróleo e gás foi duramente atingida e se vê diante de sua pior crise dos últimos 100 anos”, declarou o diretor-executivo, Roberto Castello Branco, em um comunicado publicado com os resultados da empresa entre janeiro e março.

As perdas ocorreram apesar de os preços do petróleo não terem iniciado sua espiral descendente até o final do primeiro trimestre.

Castello Branco advertiu que a recessão global não afetou significativamente os resultados da empresa no primeiro trimestre, o que deve ocorrer nos trimestres futuros. A forte queda dos preços do petróleo nos últimos meses poderiam ter consequências inclusive depois da pandemia, acrescentou.

O INEEP (Instituto de Estudos Estratégicos em Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) apontou que parte significativa dos resultados de janeiro a março deste ano foram garantidos pelas exportações de óleos combustíveis, produzidos em sua maioria nas refinarias da Região Nordeste que a Petrobrás mantém em seu plano de desinvestimento, bem como de petróleo cru principalmente para China, cuja demanda também deve sofrer nos próximos meses.

*Com informações da AFP

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem