Economia

Agropecuária

Perguntas e respostas

por Rui Daher publicado 07/03/2017 01h00, última modificação 07/03/2017 17h20
Esforço-me para manter um diálogo com os leitores e recebo mensagens muito interessantes. Nesta coluna, cito e respondo a algumas delas
Divulgação
Censo

Uma das mensagens veio de um pesquisador do IBGE: "O Censo (Agropecuário) dançou"

Escrevo semanalmente neste site de CartaCapital e, com mais frequência, num blog que mantenho no Jornal GGN, do Luís Nassif Online.

Faço-o conforme me permite o tempo, por diletantismo e admirar o jornalismo praticado pelas duas empresas. Como sabem, diferente do que se faz nas folhas impressas, a avalanche de escribas de poucas linhas que surgiu nas redes digitais, sobretudo no Facebook, fez serem poucos os remunerados para escrever nas telas.

Até mesmo o contrário. Na pindaíba em que os deixou o governo golpista e antidemocrático, hoje, são revistas, sites e blogs de esquerda que pedem colaboração aos seus leitores. Com isso, quem se dedica a pesquisar temas, trazer pensamentos modernos de fora do país, ou externar opiniões com argumentos consistentes e mais longos tem dificuldades para fazer disso um ganha-pão. Mesmo que amanhecido.

Não me queixo, embora preferisse ver-me um pouco valorizado. Se quiser, paro. Importa que, tanto aqui como lá (onde esta coluna é reproduzida), esforço-me para manter um diálogo com os leitores e respondo a todos os comentários. Lá é aberto a cadastrados. Aqui deixo meu e-mail aberto para trocar ideias. Recebo mensagens muito interessantes. Hoje cito e respondo a algumas.

Censo Agropecuário IBGE 2016

A primeira vem de um pesquisador do IBGE envolvido em pesquisas e análises de desenvolvimento rural.

Foi escalado para trabalhar no Censo. Escreve: “O Censo dançou. Vai virar um cadastro de estabelecimentos agropecuários (...) A brisa virou furacão, o governo Dilma cambaleante não pôde assegurar a aprovação do orçamento para o Censo Agro pela Câmara, apesar do esforço do MDA e da ministra Katia Abreu. Veio o golpe. E o IBGE o sentiu no queixo”.

Quadros como esse, que são muitos no IBGE, orientaram o novo presidente do Instituto a forma de conduzir corretamente o Censo Agro. Ele preferiu ir a São Paulo e, na FIESP, ouvir o ex-ministro Roberto Rodrigues, que pensa agricultura familiar como assentamentos de sem-terra, e só tem olhos para o setor canavieiro, como o ministro atual, Blairo Maggi, só os tem para o sojicultor.

Para P., se e quando tivermos Censo, “sem o resultado econômico dos estabelecimentos, fica impossível qualquer analise consistente da realidade socioeconômica no campo. (...) É a única investigação que pode articular o resultado das unidades de produção com algumas características dos produtores, dos trabalhadores e das pessoas mais diretamente envolvidas na agropecuária (...)

Estávamos trabalhando na construção desse Censo Agropecuário, tentando aproxima-lo das pesquisas domiciliares, inserindo importantes variáveis e abordagens para questões de gênero no campo, para as relações de trabalho, para a compreensão da dinâmica das famílias que vivem não apenas da produção agrícola (...) Com esse Censo que se quer agora - basicamente um cadastro - uma tentativa de pesquisa amostral para o setor”.

Além do absurdo metodológico, todo o histórico será perdido, o que torna seus idealizadores perfeitos idiotas. Aqui fui eu com a AK-47.

O neo-otimismo econômico do empresariado brasileiro

Espanta-se o leitor FC:

“Eu não consigo entender porque o empresário industrial está otimista com a economia considerando o quadro atual e as perspectivas dadas por uma conjuntura desfavorável culminada com um déficit orçamentário imenso, que pode ser maior a depender de quanto o governo irá arrecadar de fato”.

Ah vá, amigo FC. Não se amofine. Não é para nós entendermos. É só para eles. Exclusividade. Afinal não estamos numa Federação de Corporações?

Sugiro duas leituras: “Xadrez da sinuca de bico da mídia”, de Luís Nassif: http://jornalggn.com.br/noticia/xadrez-da-sinuca-de-bico-da-midia

E “Hoje eu quero sair só”, deste pobre escrevinhador: http://jornalggn.com.br/blog/rui-daher/hoje-eu-quero-sair-so-por-rui-daher

Olericultura para agrônomos e técnicos agrícolas, verduras e horticultura para nós

Aqui colabora o engenheiro agrônomo Paulo Trani, do Instituto Agronômico de Campinas (IAC), Departamento de Horticultura, que me enviou dois excelentes estudos:

“Hortaliças e Plantas Medicinais, Manual Prático" e “A produção e a comercialização mundial dos principais olerícolas”, dos mestres Waldemar Pires de Camargo Filho e Felipe Pires de Camargo, do Instituto de Economia Agrícola (IEA).

São dois temas pouco estudados, embora de alta importância, para o setor agrícola brasileira. Basta olhar nossa ração alimentar diária que sai de milhares de homens e mulheres do campo para ser acusada de vilã da inflação em folhas e telas cotidianas da ignorância.

Na próxima coluna, escreverei sobre o tema.

Nota final

Não me deixem só. Na sexta-feira, 10/03, estarei autografando o “Dominó de Botequim”, livro de crônicas, na Realejo Livros, em Santos, a partir das 18 horas

registrado em: Rui Daher, Censo Agropecuário