Novo valor do salário mínimo entra em vigor neste sábado, 1º de fevereiro

De acordo com a MP, o valor diário do salário mínimo - fixado em 1.045 - ficará em 34,83 reais e o valor por hora, em 4,75

Valor do salário mínimo ficou fixado em 1.045 a partir de 1º de fevereiro (Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil)

Valor do salário mínimo ficou fixado em 1.045 a partir de 1º de fevereiro (Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil)

Economia

Começa a vigorar neste sábado 1º de fevereiro o novo valor do salário mínimo. A medida provisória que fixa em 1.045 reais o salário mínimo foi publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira 31. De acordo com a MP, o valor diário do salário mínimo ficará em 34,83 reais; e o valor por hora, em 4,75.

Estimativas divulgadas pelo governo apontam que cada 1 real a mais no salário mínimo resulta em um aumento de 355,5 milhões de reais nas despesas públicas. Ao todo, o reajuste do salário mínimo de 1.039 para 1.045 reais terá impacto de 2,13 bilhões de reais para o governo neste ano. Isso porque o mínimo está atrelado a 80% dos benefícios da Previdência Social, além de corrigir o Benefício de Prestação Continuada (BPC), o abono salarial e o seguro-desemprego, entre outros.

Além disso, há um impacto de 1,5 bilhão decorrente da elevação do valor do salário mínimo em relação ao valor original enviado no Orçamento de 2020, de 1.031.

Até o ano passado, a política de reajuste do salário mínimo, aprovada em lei, previa uma correção pela inflação mais a variação do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos no país).

Esse modelo vigorou entre 2011 e 2019. Porém, nem sempre houve aumento real nesse período porque o PIB do país, em 2015 e 2016, registrou retração, com queda de 7% no acumulado desses dois anos.

Na semana passada, o secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, informou que o projeto de lei com a nova política de correção do salário mínimo incluirá uma mudança no período usado para definir os reajustes.

Segundo ele, em vez do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do ano anterior fechado, de janeiro a dezembro, o governo pretende usar o índice entre dezembro do ano anterior e novembro do exercício atual para calcular o valor do mínimo para 2021.

Rodrigues acrescentou que a medida tem como objetivo prevenir situações como a deste ano, em que o salário mínimo primeiramente foi reajustado para 1.039 e depois aumentou para 1.045, porque a alta dos preços da carne fez o INPC fechar o ano além do previsto.

O sistema é semelhante ao do teto de gastos, em que o governo usa o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de julho do ano anterior a junho do exercício atual para corrigir o limite das despesas federais para o ano seguinte. Segundo Rodrigues, a mudança terá pouco impacto prático no valor final para o salário mínimo, mas dará mais transparência aos reajustes e mais previsibilidade para o governo e para os trabalhadores.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias brasileira, pública e de acesso livre, gerida pela Empresa Brasil de Comunicação (EBC).

Compartilhar postagem