Economia

Maconha, um mercado de quase R$ 6 bilhões

Comércio formal da droga movimentaria R$ 5,69 bi por ano no Brasil, segundo estudo de consultores da Câmara dos Deputados

Qual seria o impacto na economia brasileira caso a maconha fosse legalizada? Elaborado por um grupo de técnicos da Câmara dos Deputados, a pedido do parlamentar Jean Wyllys (PSOL-RJ), o estudo Impacto Econômico da Legalização da Cannabis no Brasil procurou responder a essa pergunta. O fim da proibição movimentaria um mercado de R$ 5,69 bilhões por ano.

O objetivo do estudo era trazer o aspecto econômico para o debate sobre a legalização, em geral centrado nas liberdades individuais e no fracasso da chamada política de “Guerra às Drogas”. Com 40 páginas, o levantamento é de autoria dos consultores legislativos Adriano da Nóbrega Silva, Pedro Garrido da Costa e Luciana da Silva Teixeira. 

Para chegar ao número de R$ 5,69 bilhões, os pesquisadores consideraram a existência de um público consumidor recreativo de Cannabis estimado em 2,7 milhões de brasileiros e estabeleceram um limite de compra de 40 gramas da substância por mês – 480 por ano. A restrição é a mesma aplicada no mercado regulado do Uruguai, primeiro país a oficializar a produção e o consumo da maconha para uso recreativo. 

Com a mesma carga tributária aplicada hoje ao tabaco e o preço da grama fixado em R$ 4,20 (US$ 1,20), cada usuário gastaria R$ 2.073 anualmente com o produto, movimentando, no total, R$ 5,69 bilhões. 

Caso seguisse as mesmas regras do tabaco, as empresas fornecedoras de maconha estariam sujeitas a cinco tributos federais: o Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas (IRPJ), a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins), a Contribuição para os Programas PIS/Pasep e o Imposto sobre Produtos Industrializados – IPI. Além disso, seria aplicado também o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e sobre Serviços de Transporte Interestadual, Intermunicipal e de Comunicações (ICMS). 

“Esse cálculo, na verdade, está subestimado. Diria que é um piso, levando em conta o esquema tributário aplicado no tabaco ao mercado potencial de maconha no Brasil”, esclarece Luciana da Silva Teixeira, coordenadora do estudo e consultora legislativa da área de economia na Câmara dos Deputados. 

Segundo a economista, a projeção não considerou o mercado de comestíveis derivados da erva e as receitas provenientes de vendas de medicamentos com o princípio ativo do canabidiol. A estimativa do mercado de maconheiros no Brasil também foi conservadora. 

Apesar de saltar aos olhos, a economista afirma que o número de 5 bilhões está compatível com o mercado de drogas legais. No Brasil, a arrecadação tributária da maconha representaria, segundo os cálculos do estudo, cerca de 40% das receitas de bebidas (R$ 16,1 bilhões), em 2014, e em torno de 60% da arrecadação com o tabaco (R$ 9,8 bilhões, em 2014).

“Por outro lado, há também a redução de gastos que, em geral, são relacionados ao combate às drogas“, diz, citando gastos como policiamento, sistema prisional e dispêndios processuais e jurídicos. Em 2014, os gastos com tratamento, repressão e combate a todas as drogas foram de R$ 4,8 bilhões no Brasil. 

“Com a legalização, tais gastos seria reduzidos. Hoje, um terço da população carcerária está relacionada ao tráfico. O sistema judiciário também ficaria menos sobrecarregado, por conta de processos que deixariam de tramitar”. 

A consultora é cuidadosa, porém, ao explicar que o estudo levou em conta apenas a perspectiva econômica, sem abarcar os impactos sociais que o mercado legalizado poderia gerar. “Há outras questões envolvidas no impacto social, especialmente no comportamento dos jovens frente a um mercado legalizado. O estudo não trata desses aspectos”.  

Corrupção

O estudo também preocupou-se em analisar o impacto da legalização da maconha no Brasil sobre as aposentadorias, assistência social, produtividade, acidentes de trânsito, violência e corrupção. Também analisou-se se a relação entre a maconha e drogas pesadas.  

Não foi possível chegar a conclusões sobre o efeito da legalização no uso de outras drogas, sobre o impacto na produtividade no trabalho e sobre os acidentes de trânsito. 

Entre as conclusões, por outro lado, está que a legalização não afetaria as aposentadorias, uma vez que os efeitos da erva raramente levam à perda completa da capacidade laboral do usuário, e a redução da violência e da corrupção associada ao tráfico de maconha.

“Não é possível quantificar o impacto sobre a corrupção, mas podemos falar em tendências. Sabemos que o tráfico está baseado em esquemas ilegais de corrupção e propinas. Com certeza, ao legalizar o mercado e destruir a concorrência do mercado paralelo, a tendência é esse esquema desaparecer”, explica Luciana.

No entanto, para que em um cenário de legalização o mercado ilegal seja combatido, é preciso que a tributação seja leve, ao menos no primeiro momento. Com o fim da Lei Seca nos Estados Unidos, a tributação aplicada às bebidas foi bastante generosa, o que possibilitou a concorrência com os preços praticados na ilegalidade. Só após a redução do mercado paralelo que houve uma tributação pesada das bebidas no país.

Para a economista, é comum que se confunda a legalização com o incentivo à droga. “Em um mercado como esse, que já existe, é uma redução de danos diminuir a criminalidade e trazer para os cofres públicos recursos que podem ser utilizados em educação e saúde, por exemplo. A política de combate às drogas feita hoje já se mostrou fracassada, não só no Brasil como no mundo”. 

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!